quarta-feira, 11 de março de 2015

Não aprendas com a Argélia, Passos, aprende antes com a Suécia

Passos Coelho, de visita à Argélia, declarou que «a Europa deve seguir o exemplo da Argélia no combate ao terrorismo». Sim, da Argélia: um país que mantém a pena de morte e que tem prisões secretas onde se tortura. Será este o exemplo que Passos quer seguir? Reintroduzir a pena de morte e criar prisões com tortura? Ou será que quando Passos defende «ao nível dos serviços de informação ou de inteligência (sic) uma maior cooperação» está a anunciar mais poderes para os espiões, inclusivamente o de deter pessoas? A interpretação é legítima. No mínimo, pode dizer-se que Passos não se esforçou por evitar essa leitura.

No entanto, quem quer combater o terrorismo sem ser pela via securitária tem uma alternativa: aprender com a Suécia e não com a Argélia. É que também ontem o governo sueco anunciou que vai terminar a cooperação militar com a Arábia Saudita. Como é sabido, foi do país de Meca e Medina e dos seus satélites do Golfo que saiu o dinheiro que financiou todas as redes jihadistas, da Al-Qaeda ao Estado Islâmico. Isolar diplomática e militarmente a Arábia Saudita é cortar a água às raízes do islamofascismo. E o que faz o governo português quanto à Arábia Saudita? Ah, negócios (numa «relação política perfeita»).

5 comentários :

  1. Há bastante diferença entre os negócios da Suécia com a Arábia Saudita (venda de armas), e os negócios de Portugal com esse país (abertura nele de uma loja para venda de mobiliário). No primeiro caso o consumidor é o Estado saudita; no segundo caso os consumidores são privados. No primeiro caso o objeto vendido é perigoso e pode ter utilizações muito perniciosas; no segundo caso, não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qualquer "negócio" com essa feroz ditadura e principal financiador do radicalismo islamico wahabita deveria ser condenado veementemente.
      Negociar com essa gente, é perpetuar o sofrimento de milhões de sauditas e apressar a nossa própria destruição.

      Eliminar
  2. Certamente. Mas, na medida do possível, a Arábia Saudita deve ser isolada *também* economicamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordo com boicotes ou isolamentos económicos.
      Os povos devem ter a plena liberdade de negociar uns com os outros.
      Os Estados podem boicotar-se entre si, mas as pessoas devem ser livres de negociar umas com as outras. Para benefício mútuo.

      Eliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.