quinta-feira, 24 de abril de 2014

Mais um acidente com praxes... mas não só

E começa-se a falar mais uma vez em praxes, a propósito da tragédia ocorrida nas imediações da Universidade do Minho (e à qual obviamente a Universidade é totalmente alheia). Ninguém é mais antipraxe que eu, mas não desviemos as coisas nem deixemos que isso nos cegue. Mesmo admitindo que os malogrados estudantes estavam em praxe, como tudo parece indicar, não é admissível a derrocada de um muro desta forma inexplicável. Este acidente é demonstrativo do paraíso da construção desordenada e descontrolada que é Braga, após décadas de aposta exclusiva no betão para dar dinheiro aos empreiteiros. Quantos mais muros como este, prestes a cair, haverá no concelho de Braga?
É inacreditável culpar-se a reitoria por proibir as praxes dentro do campus universitário (mas esta versão é corrente entre os alunos favoráveis à praxe). Mas também é redutor culpar-se "as praxes": este muro era um perigo público. A culpa é de quem não o manteve e, se calhar, de quem o construiu e licenciou.

2 comentários :

  1. Eu não conheço o muro em questão. O Filipe conhece?
    Há muitos muros por este país fora que estão em avançado estado de degradação e ameaçam ruir. É claro que a culpa é dos seus proprietários, sem dúvida. Mas o estado de degradação desses muros é, frequentemente, visível a olho nu. Pergunto, porque é que as Câmaras Municipais, constatando esse estado de degradação, não tomam por sua conta a obrigação de derrubar esses muros antes que eles caiam por si? E pergunto também, se o estado de degradação é visível, não devem as pessoas ter o bom senso de se afastarem desses muros em vez de os utilizarem?

    ResponderEliminar
  2. Mas ainda há praxes nesta altura do ano??
    Não faz sentido nenhum.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.