terça-feira, 31 de Janeiro de 2006

Boa sorte

Boa sorte ao Luis Grave Rodrigues («recruta» recente do Diário Ateísta) na tentativa que apoiará, amanhã, de casar duas raparigas que só querem gozar dos mesmos direitos que toda a gente. (E boa sorte para as duas senhoras, também.)

segunda-feira, 30 de Janeiro de 2006

Paul Kurtz: «Hurrah for Freedom of Inquiry: Vital Issues for Secular Humanists»

«(...)

For many of us, it is important today that we define and defend constructive alternatives to the reigning religious moralities. Thus, we have argued

  • that we need to defend free inquiry, critical thinking, reason, and the methods of science;
  • that a person can be good without belief in God;
  • that the lives of nontheists can overflow with meaning and enrichment;
  • that secular humanism and scientific naturalism can contribute immensely to the growth of democracy and the improvement of the human condition on the planet

Clearly, if God is dead for post-postmodern society, humans are alive-and have the responsibility to create a better world for themselves and their fellow human beings. It is not the death of God but the rebirth of human confidence in the courage to achieve that we especially need to herald.

(...)

Liberal majorities in Western Europe are coming to question their earlier multicultural assumption that all cultures are equal in value-the code of Sharia, which assigns women a lesser station in society, is surely not morally equivalent to the ethics of contemporary democracy, which defends all human rights, including those of women. I submit that one reason for this mistaken multiculturalist view is the belief that Islam is a "peaceful religion" or that the followers of Egyptian philosopher Sayyid Qutb and Osama bin Laden are simply misguided radicals who misconstrue the "real" meaning of Islam. Most Muslims take their religion as nominal and perhaps have not understood the implications of violence in the Qur'an and Hadith. On the contrary, there is considerable contextual support for violence and mayhem within these "sacred texts"; through history, this has frequently motivated passionate hatred against those who resist Islam. This is quite similar to the literal reading of the ancient Hebrew Bible and the New Testament that was used centuries ago to justify the Inquisition and the Crusades. We reiterate what we have said countless times in these pages: there needs to be public discussion of the convictions of fundamentalist religions, including Islam, which teach that they alone possess the absolute truth and the only guaranteed road to salvation and that they can impose their will on all others by violence and slaughter. What Islam urgently needs today is a critical reading of the Qur'an and Hadith, both by independent scholars and by educated Muslims. Careful scientific examination carried out under the impetus of Ibn Warraq of the Institute for the Secularization of Islamic Society (ISIS) at the Center for Inquiry indicates that, contrary to the Muslim conviction that the Qur'an is the most unitary and consistent of all scriptures, there are many versions of the Qur'an, not just one. Scientific, scholarly, and historical investigations of how the Qur'an was compiled may weaken Muslim convictions as to its inerrancy; perhaps this will lead to a rise in metaphorical (not literal) interpretations of those scriptures. Current research into the origins of the Qur'an indicate that what is taken as the revealed word of Allah was influenced by writings from traditions other than those extant in Arab cultures, including extensive borrowings from Christian, Judaic, and Syriac sources.
The Protestant Reformation was able to tame the medieval churches of the West. The Renaissance in the West, as well as the development of biblical criticism and science, further weakened authoritarian forms of Christianity and Judaism. It is clear that there needs to be an Islamic Renaissance and Reformation, a flowering of Qur'anic criticism, and broad growth in appreciation for science. Only these can help to moderate the Qur'an and weaken its use by fundamentalists as a club to bludgeon dissent.
(...)»
(Paul Kurtz na última Free Inquiry; ler na íntegra.)

sexta-feira, 27 de Janeiro de 2006

Kenan Malik: «Born in Bradford»

«(...)
Today, "radical" in an Islamic context means someone who espouses a fundamentalist theology. Twenty years ago it meant a secularist who challenged the power of the mosques. The expunging of that radical secularist tradition has played an important part in the rise of Islamic militancy in this country.
(...)
At one time, the left had been a champion of Enlightenment rationalism, of a common humanity and universal rights. Over the past 20 years, however, many key figures and organisations on the British left have promoted the idea of multiculturalism.
(...)
The roots of the politics of difference can be found in the new forms of radicalism that emerged in the 1960s. Radicalism came to mean the rejection of all that is "western" in the name of marginality or difference. Traditionally even those hostile to capitalism saw themselves as standing in the western intellectual tradition. "I denounce European colonialism," CLR James once wrote. "But I respect the learning and discoveries of western civilisation."
(...)
The postwar left was shaped by the experience of Nazism, the failures of old-style class politics and the emergence of new struggles such as the civil rights movement and feminism. People asked why it was that Germany, with its deep roots in the Enlightenment, should succumb to Nazism. The answer seemed to be that it was the logic of Enlightenment rationalism itself that gave rise to such barbarism. As Theodor Adorno and Max Horkheimer, founders of the Frankfurt school, put it in their seminal work, Dialectic of Enlightenment: "Enlightenment is totalitarian." Or as Herbert Marcuse, one of the Marxist gurus of the 1960s student revolt, explained: "Concentration camps, mass exterminations, world wars and atom bombs are no 'relapse into barbarism' but the unrepressed implementation of the achievements of modern science, technology and domination.
Where the "old left" of the communist parties and trade unions still looked to the working class as the agency of change, the "new left" found surrogate proletariats in the "new social movements" third world liberation movements, feminist groups, campaigns for gay rights, and so on. Where the old left talked of class and sought to raise class consciousness, the new left talked of culture and sought to strengthen cultural identity. Culture was the defining feature of groups and the means by which one group differentiated itself from others. Every group, whether Cuban peasants, black Americans or women, had a specific culture, rooted in its history and experiences. That culture gave shape to an individual's identity. For an individual identity to be authentic, collective identity must be too. That required the group to be true to its own culture, to pursue the traditions that mark out that culture as unique and rebuff the advances of modernity and of other cultures.
(...)
The weakening of both social democratic and Stalinist parties, the demise of third world liberation movements, the transformation of many third world countries into tyrannies and, finally, the end of the cold war all added to the belief that radical social transformation was a chimera. The new social movements themselves had largely disintegrated by the 1990s. All that was left was the sense of difference. (...) What began in the 1960s as a way of organising against oppression had ended up by the 1990s as a way of rationalising the left's impotence.
(...)
Racism now meant not simply the denial of equal rights but the denial of the right to be different. Black and Asian people, many argued, should not be forced to accept British values, or to adopt a British identity.
Multiculturalism transformed the character of anti-racism. By the late-1980s the focus of anti-racist protest in Bradford had shifted from political issues, such as policing and immigration, to religious and cultural issues: a demand for Muslim schools and for separate education for girls, a campaign for halal meat in school, and the confrontation over The Satanic Verses. As different groups began asserting their identities ever more fiercely, so the shift from the political to the cultural arena helped to create a more tribal city. Secular Muslims were regarded as betraying their culture.
(...)
Multiculturalism did not create militant Islam, but it created a space for it within British Muslim communities that had not existed before. It fostered a more tribal nation, undermined progressive trends within the Muslim communities and strengthened the hand of conservative religious leaders. It is true that since 9/11 and particularly since 7/7 there has been growing questioning of the consequences of multiculturalism.
(...)
The idea that society consists of a variety of distinct cultures, that all these cultures should be respected and preserved and that society should be organised to meet the distinct needs of different cultures: these continue to be regarded as the hallmarks of a progressive, anti-racist outlook. The lesson of the past two decades, however, is this: a left that espouses multiculturalism makes itself redundant.(...)»
(Kenan Malik na Prospect; vale a pena ler na íntegra.)

terça-feira, 24 de Janeiro de 2006

Tirar conclusões

O responsável principal pela derrota da esquerda nesta eleição presidencial é José Sócrates. O primeiro instinto de um político quando no poder deve ser preservar esse mesmo poder. Sócrates, ou não quis auto-preservar-se (masoquismo?) ou não o soube fazer (incompetência?). Em qualquer dos casos, falhou como líder (que também é) do maior partido da esquerda, e secundariamente como líder da esquerda que poderia (e deveria) querer ser. Um verdadeiro líder sabe prever as crises e precaver-se, Sócrates com a sua maioria absoluta fresca de um ano tinha autoridade para impor uma solução ao seu partido. Porém, chegou a querer adiar a sua «solução» para a presidencial «para depois das autárquicas». Viu-se no que deu a navegação à vista: o seu Governo tem agora a espada da dissolução sobre a cabeça. (Não, não acredito que Sócrates preferisse a eleição de Cavaco à de Soares ou mesmo de Alegre.)
Manuel Alegre ficou ligeiramente abaixo de Salgado Zenha, quer em número de votos (1,13 milhões contra 1,19) quer em percentagem (20,7% contra 20,9%). No entanto, (notar que Zenha era apoiado pelas estruturas do PCP e do PRD) ficou acima do outro candidato presidencial que não foi apoiado por qualquer partido grande ou médio e que passou dos 10% (Otelo em 1976, quando teve 792 760 votos e 16,5 em percentagem). Não conseguiu evitar que os quase 700 mil eleitores que vão mudando de lado nas eleições (e que fazem de «centro») fossem para Cavaco Silva. Mas conseguiu provar que ainda há espaço político em Portugal para a social-democracia de esquerda, e que a emergência desta pode travar a ascensão do BE, como se notou nos resultados de Louçã (as picardias entre os dois mostram que queriam ambos crescer para o mesmo espaço). Alegre teve ainda o mérito de mostrar que existe quem, na esquerda democrática, não morra de amores pela UE, e foi consequentemente republicano em questões como a lei da nacionalidade ou os direitos dos imigrantes (onde foi mais longe do que o actual Governo quer ir).
Quanto a Mário Soares, errei ao não compreender que a simpatia com que era tratado pelas pessoas partia da presunção de que já estava retirado da política. Quando voltou a meter as mãos no jogo sujo da política queimou-se. Resta-lhe o exemplo cívico que deu ao tentar ser Presidente aos 81 anos. O exemplo serve de lição a muita gente no interior do PS. Mas o eleitorado deixou claro que já não conta com ele.
Jerónimo de Sousa mais do que duplicou o número de votos de António Abreu em 2001, e até subiu relativamente à eleição para a Assembleia da República do ano passado. Sendo esta a terceira eleição homóloga (parlamento, autarquias, presidencial) em que o PCP sobe, já não faz qualquer sentido falar em «declínio do PCP». Pelo contrário, é agora claro que Jerónimo não só parou a descida do PCP como a conseguiu inverter.
Garcia Pereira teve um terço dos votos que tivera em 2001, o que pode resultar de dois factores: a sua menor exposição mediática como «advogado de causas célebres» nos anos mais recentes, e o facto de esta eleição presidencial, ao contrário da anterior, não ter vencedor anunciado e por isso ser menos propícia ao voto de protesto.

segunda-feira, 23 de Janeiro de 2006

Três pontos para aborrecer os cavaquistas

  1. Cavaco Silva foi eleito Presidente pela mais pequena diferença de sempre: 66 786 votos. Em 1986, Soares batera Freitas por 138 692 (mais do dobro) e em 1996 Sampaio bateu Cavaco por 439 925 (e qualquer uma das outras quatro vitórias presidenciais foi ainda mais ampla). Para que tivesse havido uma segunda volta, bastaria que 33 394 dos votantes em Cavaco tivessem escolhido outro candidato, ou que 66 786 abstencionistas tivessem saído de casa para votarem à esquerda.
  2. Cavaco Silva teve o segundo total de votos mais baixo de sempre numa eleição presidencial: 2 753 511. Apenas a vitória de Sampaio em 2001 (2 401 015) lhe foi inferior em número de votos. O recorde foi de Mário Soares em 1991 (3,46 milhões de votos), seguido por Ramalho Eanes em 1980 (3,26 milhões de votos) e por Jorge Sampaio em 1996 (3,035 milhões de votos). Mesmo Soares em 1986 (3,01 milhões) e Eanes em 1976 (2,97 milhões) tiveram votações superiores. Porque a abstenção foi a segunda mais elevada de sempre (apenas em 2001 fora maior).
  3. Cavaco Silva teve apenas mais 158 380 votos do que tivera em 1996.
  4. Adenda: Cavaco Silva teve menos votos do que Freitas do Amaral tivera na segunda volta de 1986.

(Resultados da eleição presidencial.)

Os meus desvios

Cavaco: 50,6%-50%=0,6%
Alegre: 20,7%-22%=1,3%
Soares: 14,3%-13%=1,3%
Jerónimo: 8,6%-8%=0,6%
Louçã: 5,3%-6%=0,7%
Garcia: 0,4%-1%=0,6%
Abstenção: 38,2%-32%=6,2%

Soma: 5,1% (sem abstenção) ou 11,3% (com abstenção).

sexta-feira, 20 de Janeiro de 2006

Banalidades finais

Afinal, um Presidente serve para quê? E quais serão os assuntos em que um Presidente fará a diferença no próximo mandato?
Os que votam em Cavaco Silva dizem acreditar que o Presidente Cavaco será qualquer coisa entre o treinador de bancada e o consultor de finanças do Governo. E não vêem (ou vêem e e é isso mesmo que querem...) que Cavaco criará um sarilho institucional se tentar cumprir a ilusão que construiu. Eu encontro aí a minha razão principal para não votar Cavaco, sendo a razão secundária o fundo conservador das forças que o apoiam e que vetarão um milímetro de avanço em qualquer matéria ligada à laicidade do Estado ou à evolução dos costumes.

Os que votam Soares votam sobretudo na «bonomia» e na experiência. Pessoalmente, penso que Soares já fez a sua parte, goste-se ou não. E penso que infelizmente há uma geração inteira que acredita que ser «republicano e laico» é fazer juras de amor à ICAR cada vez que se fala num assunto remotamente relacionado. Esse problema continuará, aconteça o que acontecer.

Quem vota Jerónimo vota no segundo maior exército civil português (o primeiro é a ICAR), como se viu no Pavilhão Atlântico. Vota na «instituição» que preserva os direitos mínimos daqueles portugueses que pouco têm e que vivem a sul do Mondego. Mas um exército, mesmo igualitário, nunca é uma escola de liberdade individual.

Louçã esforçou-se e continua a esforçar-se por se tornar um social-democrata credível, preenchendo o imenso espaço ideológico vazio entre o PCP e o PS. Deu mais um bom passo nesse sentido nesta eleição presidencial, independentemente do resultado que obtenha. Não tem «máquina» por trás, e começa a parecer claro que não tem espaço para a construir, a não ser a longo prazo (o BE é, nítidamente, o movimento político mais jovem).

Garcia Pereira teve a única qualidade de fazer ver que o sistema mediático não deu um tratamento igualitário às diferentes campanhas. De resto, tem ideias lunáticas (como instituir «Supremos Tribunais» na Madeira e nos Açores).

Alegre é a primeira oportunidade, em trinta anos de democracia, de votar num cidadão que não foi aprovado por directório partidário algum. Vacilou em questões importantes (ver mais abaixo neste blogue), na medida exacta em que as sondagens o colocavam cada vez mais frequentemente à frente de Soares.

Durante o próximo mandato, será discutida a «Constituição Europeia» (com esse ou outro nome). O único que acredito que seria favorável a um referendo, dos três que podem ser eleitos, é Manuel Alegre. E é um social-democrata, o que não pode ser dito, na realidade, de Cavaco.

Palpite final

Cavaco: 50%
Alegre: 22%
Soares: 13%
Jerónimo: 8%
Louçã: 6%
Garcia: 1%
Abstenção: 32%

No 4º ano d.C. (depois de Cavaco)...

Os primeiros seis meses de 2009 são dominados por uma discussão profunda sobre a Revisão Constitucional, que se assume como drástica: o assunto chega a merecer dois Prós e Contras e quatro editoriais do Público. A forma republicana do Estado e a separação entre as igrejas e o Estado deixam de ser limites materiais de revisão. Os direitos à educação, à saúde e à habitação são riscados da Constituição, e o Preâmbulo passa a conter uma referência a «Deus» e ao «papel da igreja católica na luta contra o Estado Novo» (as referências ao «fascismo» desaparecem por serem consideradas «politicamente correctas», isto é, politicamente incorrectas). O PS aceita tudo isto em nome da «estabilidade governamental», da «abertura», da «modernidade» e de uma alteração da lei eleitoral que introduz os círculos uninominais, e que alguns socialistas acham que permitirá «aproximar os eleitores dos eleitos» (continua sem aparecer ninguém que explique como se mede a «distância» entre eleitores e eleitos).
No final de Junho de 2010, perante uma crise económica profunda que o Governo parece incapaz de resolver, o Presidente Cavaco Silva anuncia que se recandidatará com o objectivo de presidencializar o regime. No PS, António Costa, que acumula o cargo de Secretário-Geral com o de vice-primeiro-ministro, convida José Sócrates a ser candidato, mas este recusa. Tenta depois Jaime Gama e João Cravinho, que recusam também candidatar-se. Na ausência de outra solução, convida, em Outubro, Mário Soares, que, aos 86 anos, aceita fazer o seu último combate político.
Em Dezembro de 2010, as sondagens dão 70% a Cavaco Silva.
(Fim)

Resultados das eleições presidenciais

  1. 1976 Ramalho Eanes: 2 967 137 votos (61,6%); Otelo Saraiva de Carvalho: 792 760 (16,5%); Pinheiro de Azevedo: 692 147 (14,4%); Octávio Pato: 365 586 (7,6%); abstenção: 24,5%.
  2. 1980 Ramalho Eanes: 3 262 520 votos (56,4%); Soares Carneiro: 2 325 481 (40,2%); Otelo Saraiva de Carvalho: 85 896 (1,5%); Galvão de Melo: 48 468 (0,8%); Pires Veloso: 45 132 (0,8%); Aires Rodrigues: 12 745 (0,2%); abstenção: 15,6 %.
  3. 1986(1) Freitas do Amaral: 2 629 597 (46,3%); Mário Soares: 1 443 683 (25,4%); Salgado Zenha: 1 185 867 (20,9%); Lurdes Pintasilgo: 418 961 (7,4%); abstenção: 24,6%.
  4. 1986(2) Mário Soares: 3 010 756 (51,2%); Freitas do Amaral : 2 872 064 (48,8%); abstenção: 22%.
  5. 1991 Mário Soares: 3 459 521 (70,4%); Basílio Horta: 696 379 (14,2%); Carlos Carvalhas: 635 373 (12,9%); Carlos Marques: 126 581 (2,6%); abstenção: 37,8%.
  6. 1996 Jorge Sampaio: 3 035 056 (53,9%); Cavaco Silva: 2 595 131 (46,1%); abstenção: 33,7%.
  7. 2001 Jorge Sampaio: 2 401 015 (55,6%); Ferreira do Amaral: 1 498 948 (34,7%); António Abreu: 223 196 (5,2%); Fernando Rosas: 129 840 (3%); Garcia Pereira: 68 900 (1,6%); abstenção: 50,3%.

quinta-feira, 19 de Janeiro de 2006

O terceiro ano da era cavaquiana

Em Janeiro de 2008, Francisco Louçã, que denunciara o «bloco central dos interesses» representado pelo Governo PSD/PS/CDS, lança a Frente de Esquerda (FE), que reune as forças do já «velhinho» BE com o PCTP-MRPP de Garcia Pereira e o POUS de Carmelinda Pereira, e ainda alguns voluntários da campanha de Alegre que nunca militaram no PS.
No Parlamento, os deputados do PCP levam a votos a despenalização do aborto, esse tema clássico da democracia portuguesa. Para choque e espanto geral, a despenalização é aprovada por uma diferença de um voto. Os olhos voltam-se para Belém, onde Cavaco Silva, furioso, faz imediatamente saber que vetará a indesejada alteração e que o aborto só poderá ser discutido quando «Portugal voltar ao pelotão da frente da União Europeia». Na semana seguinte, faz três discursos sobre a importância de «os portugueses» se concentrarem em procurar ideias para «relançar a economia» em vez de se ocuparem de «questões fracturantes».
Com o impulso de Sarkozy e Merkel, o Novo Tratado Constitucional para a Europa fica pronto após algumas reuniões do directório europeu, aparentemente alargadas à Polónia mas não à Espanha. Interrogado sobre a possibilidade de um referendo em Portugal, o Presidente Cavaco Silva responde lapidarmente que «Portugal não se pode dar ao luxo de ser um país imprevísivel, ainda por cima quando a economia está no estado em que se encontra!». O Tratado constitucional é aprovado no Parlamento em Junho, sem qualquer tipo de discussão alargada. No dia seguinte, as manchetes dos jornais diários destacam a transferência de um futebolista para o Real Madrid.
Em Outubro de 2008, um grupo interpartidário de «personalidades do Norte» promove uma petição para um referendo sobre a efectivação da regionalização antes do fim da legislatura, a qual atinge rapidamente as quinze mil assinaturas, recolhidas no Porto e arredores. Cavaco Silva, numa presidência aberta em Bragança, é inquirido sobre a questão e responde, com um enorme sorriso, que «Portugal é um país unido e essa questão é secundária num momento em que a taxa de desemprego atinge um valor elevado». Luis Filipe Menezes, que está ao seu lado, é também questionado. Gaguejando aflitivamente, diz «o nosso Presidente tem sempre razão!», após o que recebe palmadinhas nas costas de Cavaco Silva. No Contra-Informação, o Primeiro Ministro é cada vez mais retratado a tremer e a gaguejar e a repetir «o Presidente é que manda!».
Em Novembro de 2008, agrava-se a fome nos subúrbios de Lisboa, particularmente na Amadora e em Oeiras. À saída de uma visita ao Colégio Planalto, os jornalistas perguntam ao Presidente o que pensa fazer. Este responde «esses nem sequer são portugueses, não tivessem vindo para cá», o que cai mal em alguns sectores da esquerda, alegadamente mesmo em alguns ministros do PS. Segue-se uma polémica generalizada. Assim, num colóquio organizado pela revista Nova Cidadania, João Carlos Espada explica na sua intervenção que a responsabilidade pela pobreza nos subúrbios de Lisboa cabe à Revolução Francesa e a Jean-Jacques Rousseau, e sustenta, recorrendo a Hume e a Popper, que a SIDA é espalhada pelos intelectuais franceses. Quando uma jornalista presente no auditório se atreve a afirmar que a SIDA está a descer e que é a tuberculose que constitui um problema real de saúde pública, é expulsa da sala por padres e alunos da Católica que berram contra a «opressão do politicamente correcto» e contra o «domínio mediático da esquerda». Noutra das talks (em inglês no original português), que tem por título: «De Robespierre a Woodstock: a culpa da esquerda na destruição da lei e ordem feudal e na propagação da fome, da SIDA e das unhas encravadas», chega-se à conclusão de que a «decadência de Portugal»(!) foi da responsabilidade de Pombal, Alexandre Herculano, Afonso Costa e do MFA. Por seu lado, a revista Atlântico argumenta que só com uma «guerra cultural» contra o «multiculturalismo» e o «politicamente correcto» se resolverão os problemas da fome e da desnutrição, e que apenas a proibição do ensino do francês no ensino público e privado e o desmantelamento do «Estado-previdência» estancarão a epidemia de tuberculose.
(continua)

Revista de blogues (19/1/2005)

  1. «A Marca do Z», no umblogsobrekleist.
  2. «Presidenciais pobrezinhas» e «Há 4 anos sem aumento», no Klepsydra.
  3. «Sabedoria Popular», n´O Franco Atirador.
  4. Os candidatos à eleição presidencial (Alegre, Soares, Louçã, Jerónimo, Garcia, Cavaco) no Armadilha para ursos conformistas.

quarta-feira, 18 de Janeiro de 2006

Shalom Lappin: «How Class Disappeared From Western Politics»

«Recent political developments in Europe and America present two apparent paradoxes. First, much of what remains of the radical left has aligned itself with extreme Islamic political movements that promote the establishment of religious regimes in Asia and Africa, with the ultimate objective of a global caliphate. In Europe a not insignificant part of what currently passes for the liberal left also expresses sympathy for these movements. Second, in the United States, working-class voters consistently and consciously vote against their class interests by supporting conservative Republican politicians whose plutocratic economic policies they reject.
(...)
It is reasonable to conjecture that Marx would have been less than thrilled by the specter of those who claim to be his political heirs serving as junior partners in a campaign to establish the sort of reactionary anti-Western social order whose demise he celebrated as the main achievement of colonialism. How did we arrive at this state of affairs?
(...)
During the cold war the focus of revolutionary politics shifted to anticolonialist movements in the third world, and it was in these postcolonial countries that both the Soviet Union and China increasingly sought to develop a domain of support for their respective conflicts with the West. As the radical left in the West gradually despaired of a workers’ revolution in its home countries, it substituted the anticolonialist movements of the third world for the industrial proletariat as the primary engine of historical change. They endowed the third world with the same intrinsically “progressive” historical role that Marx had previously assigned to the working class, with the entire Western world assuming the role of the capitalist bourgeoisie. Much of the radical left moved away from a politics of class conflict within a society and embraced a global morality play in which the dialectic of progressive and reactionary forces is transposed into a competition between cultures and geopolitical regions. In the course of this move, the radical left exchanged working-class politics for the politics of culture and identity. Marxist theoreticians migrated from political science and economics to cultural studies, where they took up the cause of postmodernist, postcolonial criticism. The assumptions of this school of thought provide the antithesis of the nineteenth-century European notions of modernity and social progress to which Marx was so deeply committed.
(...)
Although using the rhetoric of a workers’ revolution, most of the New Left made no serious attempt to connect with organized labor, which was politically powerful at the time. It did not try to wean working-class voters away from support of the Vietnam War while functioning within the Democratic social and civil rights consensus. Instead, it promoted identification with third world revolutionary movements and dabbled in the counterculture, setting itself against mainstream America. This pattern seriously discredited left-wing politics in the eyes of many working-class voters, who felt the cohesion of their social order under assault in this turbulent period. Liberal fellow travelers compounded the problem by indulging the belligerent posturing of the New Left, frequently adopting it as a fashion statement.
(...)
To renew the social democratic project as a viable political alternative to the neoliberal onslaught, we must reformulate it in international terms to deal with a global market economy. This involves moving beyond the traditional instruments of management offered by the individual nation-state, as these are increasingly limited in their ability to respond to capital mobility.
(...)»

terça-feira, 17 de Janeiro de 2006

Veneno puro

No Diário de Notícias de hoje, Santana Lopes ao seu nível habitual: «Um Presidente, um candidato, a verdade».
  • Primeiro, uma promessa ao actual Presidente: «Peço rigor a Jorge Sampaio, a quem, como já disse, por várias vezes, só responderei quando deixar de ser Presidente da República
  • Para quem não percebeu, ameaça com indiscrições sobre assuntos de Estado: «[na sua] fotobiografia, o Presidente Jorge Sampaio não conta a sua posição na altura sobre o défice (nomeadamente na reunião que tivemos a 13/10/04 e em que me fiz acompanhar pelo ministro das Finanças).».
  • E já agora, também usa os detalhes da famosa factura: «é também elucidativo o que representa, a nível institucional, a revelação de telefonemas para militantes do PPD/PSD enquanto [Jorge Sampaio] tratava do assunto com Durão Barroso.»
  • Sobre a outra ferida que não cicatrizou: «Reafirmo que devo lealdade ao meu espaço político num período de campanha eleitoral mas também devo fidelidade a mim próprio e à memória do que aconteceu no ano passado. (...) Impus a mim próprio que não falaria sobre o meu voto nas presidenciais. Mas há uma garantia que posso dar: não voto nos adversários do meu espaço político.»
  • E ainda mais claramente: «Não declarei, nem declaro, qualquer apoio a Cavaco Silva. Mas também não o ataquei, nem ataco. Aliás, Cavaco Silva será o primeiro a compreender que se tenha esta posição porque também não declarou qualquer apoio em Fevereiro de 2005
  • Os personagens menores só merecem uma nota final: «quando falo saltam as vozes do costume (JPP, ALX, ASL, JPC, entre outros). (...) Só sabem falar do que os outros fazem mas nunca fizeram nada
  • Mas ainda não vimos o último acto deste drama: «em política pode morrer-se várias vezes. E, permito-me acrescentar, viver também.»

segunda-feira, 16 de Janeiro de 2006

O neo-cavaquismo, ano 2

Na sequência da divulgação do «crescimento negativo» (ou decrescimento positivo) do PIB de 2006, a discussão sobre que parcela da governação cabe a Belém e que parcela cabe a S. Bento agrava-se, e as reuniões entre o Presidente e o Primeiro Ministro atingem as seis horas de duração (nas primeiras ocasiões em que tal acontece, o gabinete do PM chega a dizer que ele já voltou para S. Bento, mas os assessores de Cavaco conduzem as câmaras da SIC a filmar as silhuetas, visíveis atrás das cortinas, de Cavaco -de pé, a falar e com um ponteiro na mão- e de Sócrates -sentado, não se sabe se a escrever ou a dormir).
No dia 5 de Março de 2007, após falar num seminário na Universidade Católica, Cavaco Silva é perguntado sobre a possibilidade de uma guerra contra o Irão. Responde que «Portugal é um país de Paz e nunca entraria em guerra com ninguém (...) aliás, a inflação está muito alta para nos metermos em guerras». Quarenta e três horas depois, George W. Bush faz um ultimato ao Irão para que desista do seu programa nuclear. Ahmadinejadi responde com uma saraivada de perdigotos e citações do aiatolá Khomeini. Quando Sócrates decide seguir a maioria da NATO, a confusão instala-se: as ruas enchem-se de manifestantes liderados por Louçã e Policarpo, Freitas do Amaral demite-se e Cavaco vai ao Vaticano. A guerra do Irão durará quatro meses.
Durante a guerra, Marcelo Rebelo de Sousa, Pacheco Pereira, Alberto João Jardim e outras figuras prestigiadas do PSD criticam violentamente Marques Mendes, sem que se perceba muito bem porquê. No entanto, em poucas semanas é convocado um Congresso extraordinário, no qual Luis Filipe Menezes é surpreendentemente eleito presidente do PPD-PSD. No grupo da liderança ficam também Ferreira Leite, António Borges, Isaltino Morais e Valentim Loureiro.
No mês de Maio, Sócrates anuncia, durante uma visita ao Alentejo, que pretende subir as reformas 0,2%. Duas horas depois, à entrada para um colóquio da Gulbenkian, Cavaco diz que «estamos em tempo de vacas magras (...) nem pensar em subir as reformas mais de 0,19%». Sócrates engole em seco e obedece.
Em Junho, Cavaco dá uma entrevista televisiva a Maria João Avillez, na qual, apesar de se afirmar «satisfeito por estar a colocar a [sua] experiência ao serviço de um ajudante de Presidente, como é o Primeiro Ministro», lamenta os «políticos que não gostam de ouvir as pessoas mais velhas e com mais experiência (...) porque depois podem atirar o país para crises graves».
No fim de semana seguinte, num almoço do PS em Carrazeda de Ansiães, Sócrates queixa-se, perante uma plateia de velhotes de boné e de senhoras vestidas de preto que mastigam rissóis, de obscuras «forças do bloqueio» que «não o deixam trabalhar». O Governo termina três dias depois.
Nas eleições legislativas de Setembro de 2007, a coligação entre o PSD e outro partido tem 45% dos votos (110 deputados), a coligação PS/BE fica com 42% (105) e a CDU 9% (15). Numa situação de tremenda ingovernabilidade e efervescência política, ouvem-se gritos de raiva para os lados de Belém e segue-se um mês de conversações de bastidores que terminam num Governo PSD/PS/CDS. O Primeiro Ministro Luis Filipe Menezes tem Teixeira Pinto como Ministro das Finanças, António Borges como Ministro da Economia, Pina Moura como Ministro da Energia e Transportes, Valentim Loureiro na Defesa, Jaime Gama nos Negócios Estrangeiros e Ribeiro e Castro como Ministro da Cultura e Desportos.
Na tomada de posse, o Presidente Cavaco Silva rejubila com este «Governo suprapartidário, (...) sem pressões exteriores de lóbis ou clientelas» e considera-o a prova de que «afinal, os políticos podem cooperar uns com os outros».
(continua)

quinta-feira, 12 de Janeiro de 2006

Cavacolândia, Vol. 1

Na tomada de posse, Cavaco Silva convida o Cardeal Patriarca para se sentar ao seu lado e insere uma fórmula religiosa no juramento da Constituição da República. A comunicação social trata o assunto como mero folclore.
Pouco mais de um mês depois, nas celebrações do 25 de Abril, Cavaco Silva impede que se toque o «Grândola, Vila Morena». Aos que apontam uma contradição com a campanha eleitoral, Cavaco Silva responde, com uma gargalhada, que se trata de uma canção que só faz sentido tocar no concelho alentejano referido no título.
Em Junho de 2006, Cavaco Silva aparece à porta da Vivenda Mariani com um cachecol da selecção da FPP, e berrando «Eu sei que Portugal pode vencer!». Sócrates anuncia imediatamente que concederá tolerância de ponto para cada um dos jogos dos «novos Viriatos». Porém, após a equipa de Scolari e Madaíl perder 1-0 com Angola e empatar sem golos com o Irão, os rumores de que metade da equipa faz excursões nocturnas a Amesterdão avolumam-se. Com o México, a FPF está a perder 3-0 quando se dá a segunda expulsão de um jogador português. O que resta da equipa agarra no árbitro e dá-lhe uma sova. No dia seguinte, os títulos dos jornais desportivos são «Portugal injustiçado» e «Arbitragens estragam Mundial».
Na semana seguinte, a Assembleia da República prepara-se para votar a despenalização do aborto quando o Presidente Cavaco afirma numa entrevista (e num tom agastado) que «as pessoas deviam preocupar-se em ter ideias para novas empresas em vez de se ocuparem de assuntos como esse». Ao contrário do que fora anunciado, o PS abstém-se na votação final.
Durante o Verão, torna-se claro que a Ota e o TGV são «grandes consensos nacionais», como se escreve num editorial do Expresso.
Chegados ao Outono, a Iberdrola alarga a sua influência na EDP. Alguns jornais citam «fontes de Belém» segundo as quais o Presidente estará «irritado» com a «ingenuidade» e a «incompetência» do Governo socialista.
Na mensagem de ano novo de 2007, Cavaco Silva afirma que o Hino Nacional, devido ao seu teor anti-britânico, «dificulta as relações económicas com a Inglaterra», e que portanto nomeou uma comissão para alterá-lo que será constituída por Maria Cavaco Silva, Zita Seabra, Paulo Teixeira Pinto, João Pedro Pais e Nicolau Breyner. Duas semanas depois, no Pavilhão Atlântico, perante uma plateia preenchida por criancinhas que agitam bandeiras verdes e vermelhas sincopadamente, Kátia Guerreiro ataca entusiasticamente as estrofes do «Hino de Portugal»:
Portugal, Nação sob Deus
(Não, não somos ateus)
Grandes descobridores
Povo de vencedores
Ninguém faz nada de mal
Do Minho até ao Funchal
Vamos todos gritar
"Portugal vai ganhaaaaar!"
À saída do espectáculo, um jornalista interroga Cavaco Silva sobre o casamento de homossexuais, ao que o Presidente começa a responder «o senhor Cardeal Patriarca já disse que...» quando é interrompido por Maria Cavaco Silva que, agarrada ao braço do marido, berra «...deviam ser todos queimados no Rossio». Nos dias seguintes, a imprensa entrega-se a um debate apaixonado sobre «o mito da Inquisição», que culmina com um dossiê do Público em que dois professores da Católica explicam que a única vítima do Santo Ofício foi um animal de estimação que morreu intoxicado com o fumo das piras. Embora não haja dúvidas de que o animal pertencia a um judeu, os historiadores debatem se seria um cão ou um gato. Entretanto, a revista Atlântico conclui que a responsabilidade pela Inquisição cabe inteiramente ao «politicamente correcto», ao «multiculturalismo» e aos intelectuais franceses.
(continua)

quarta-feira, 11 de Janeiro de 2006

Louçã e Soares

A entrevista simultânea a Soares e a Louçã (que me escapou, como muitas outras coisas) deu algumas indicações para quem quiser pensar sobre estes dois candidatos.
Em primeiro lugar, quanto ao Tratado constitucional europeu, que será talvez a questão mais importante do próximo mandato presidencial (e é a maior ausente da campanha, apesar dos esforços de Manuel Alegre) houve o seguinte:
Ao contrário destes dois, não tenho fé em que possa haver uma democracia funcional incluindo toda a Europa daqui a três gerações, quanto mais daqui a três anos. A «Constituição europeia», com o seu parlamento que não pode iniciar legislação mas que delibera sobre quase tudo, instituirá uma não-democracia com tutela sobre a nossa República. (E Cavaco, que encara a UE como um banco a que se pede crédito, ainda será mais europatriota do que Soares e Louçã, se o dinheiro fluir...)
Em segundo lugar, Louçã disse que não iria a Fátima com o ditador do Vaticano, ao que Soares replicou, não fosse alguém tomá-lo por anticlerical:
É evidente que, vindo de Soares, isto não surpreende. Este homem toda a vida se proclamou «republicano e laico» sem que alguma vez tenha traduzido isso no mais pequeno dos avanços para esses valores. Mas querer ir «com o maior gosto» até Fátima?! Não havia necessidade...

terça-feira, 10 de Janeiro de 2006

Citações republicanas (6): Jean Jaurés

«Le courage, c'est de chercher la vérité et de la dire; c'est de ne pas subir la loi du mensonge triomphant qui passe, et de ne pas faire écho, de notre âme, de notre bouche et de nos mains aux applaudissements imbéciles et aux huées fanatiques
(Jean Jaurés)

segunda-feira, 9 de Janeiro de 2006

Citações republicanas (5): Albert Camus

«Qu'est-ce que l'homme? Il est cette force qui finit toujours par balancer les tyrans et les dieux.»
(Albert Camus)

domingo, 8 de Janeiro de 2006

Momento politicamente incorrecto (ou correcto, depende da trincheira)


(Mais cartazes politicamente correctos/incorrectos em (...); agradeço ao Oeste Bravio a indicação.)

Laicidade, igualdade e privacidade

A iniciativa da Associação República e Laicidade (ARL) de denunciar situações de realização de rituais religiosos e de permanência de símbolos religiosos em escolas públicas gerou uma polémica esclarecedora.

Significativamente, nem os mais veementes na defesa da perpetuação dessas situações ousam negar que elas são inconstitucionais e ilegais. De facto, constitucionalmente as igrejas estão separadas do Estado e o ensino público não é confessional, todos os cidadãos são iguais perante a lei independentemente das suas convicções religiosas, e segundo a Lei da Liberdade Religiosa o Estado não adopta qualquer religião e ninguém pode ser obrigado a praticar ou a assistir a actos de culto, ou a receber propaganda em matéria religiosa. O entendimento de que a permanência de crucifixos em salas de aula de escolas públicas é inconciliável com os preceitos constitucionais foi aliás reiterado em 1999 pelo Provedor de Justiça, num parecer em que afirmou que «[se trata] de uma situação desconforme com o princípio da separação das confissões religiosas do Estado». Parecendo a situação jurídica consensual, existe porém quem defenda a desobediência à lei.

A resistência ao cumprimento da Constituição da República evidencia que a pedagogia da laicidade do Estado não tem sido adequadamente realizada. Deveria ser óbvio que a laicização do Estado não privará a Igreja Católica, ou qualquer outra comunidade religiosa, de uma única das liberdades que lhes são indispensáveis ao exercício do culto. No entanto, a acreditar em alguns dos opositores à laicização, estas medidas seriam inseparáveis de puros desvarios que se lhes seguiriam inexoravelmente, como a interdição da posse de crucifixos, a implosão de todas as igrejas em território nacional ou a proibição de todo e qualquer culto religioso! Quem tal afirma entende a laicidade - erradamente - como um totalitarismo simétrico do totalitarismo católico e inquisitorial, quando pelo contrário, ao impor limites ao poder do Estado sobre os cidadãos, é a defesa do indivíduo contra todos os totalitarismos religiosos e ideológicos que se assegura. A laicidade implica exactamente que o Estado não professa uma religião nem patrocina qualquer coacção religiosa sobre os cidadãos, ficando assim os cidadãos efectivamente livres de professar uma religião ou nenhuma no domínio privado e associativo, ou mesmo em público desde que no respeito pela possibilidade de outros também o fazerem.

Recorda-se a quem argumenta com a tradição que deve fazê-lo ciente de que esta foi inventada pelo salazarismo em 1936, quando se legislou que «em todas as escolas públicas (...) existirá, por detrás e acima da cadeira do professor, um crucifixo, como símbolo da educação cristã determinada pela Constituição». E aos que defendem que as maiorias sociológicas podem suspender a aplicação de direitos individuais que, como a liberdade de consciência, estão assegurados constitucionalmente, assinalamos que tomamos esta iniciativa justamente por recebermos numerosas queixas de encarregados de educação e professores que nem sempre desejam revelar, perante as comunidades em que estão inseridos, as suas convicções em matéria religiosa. Permitir que cada comunidade decidisse quais as leis e preceitos constitucionais a aplicar localmente seria demitir o Estado do seu papel de garante dos direitos individuais contra as coacções das maiorias locais, e nomeadamente do direito à privacidade das opções em matéria religiosa.

Finalmente, a posição assumida pelo Ministério da Educação - ao fazer depender a retirada dos crucifixos ou a cessação de rituais religiosos de queixas recebidas - é manifestamente insuficiente. Novamente porque a aplicação de preceitos constitucionais de aplicação geral não pode depender de pedidos pontuais nem da desistência, pelos cidadãos, do direito à privacidade das suas convicções.

Só se o Estado for realmente laico a sociedade poderá ser livre e plural. Só a laicidade garante a liberdade de consciência de todos, os que têm uma qualquer religião e os que não têm nenhuma.

Ricardo Alves (Secretário da Direcção da Associação República e Laicidade)

Nota: texto publicado como carta de leitor no jornal «Público» de 7/1/2006.

quinta-feira, 5 de Janeiro de 2006

Peter Brooks: «Bush vs Camus»

«(...)
Camus wrote The Fall during the Algerian War, when France was beginning to face a crisis of conscience over torture similar to what the United States faces now. Indeed, clear parallels exist between the French experience in Algeria and the American experience in Iraq: Like the war on terror, much of the French effort to pacify and retain Algeria was waged against a nearly invisible enemy that tended to melt into the landscape. Intelligence-gathering was crucial—and that led to torture.
(...)
An American observer of the various forms of detainee abuse that have been exposed in the past years—including secret prisons, "renditions" to foreign regimes that practice torture, and the use of "enhanced interrogation" techniques, such as water-boarding—could of course take Clamence's position: Anyone subjected to torture clearly deserves it. Such a person must be guilty. It is morally unacceptable to believe that anyone treated in such a way could be innocent.
While our administration may not be guilty of confining its prisoners in cells as horrible as the little-ease (though reports suggest that some approach that condition), the cells it has built at Guantanamo approximate the name for the deepest and dankest of prisons in medieval castles: les oubliettes, the places you threw people and forgot about them. These were the prisoners with no chance of ever leaving their cells; people with no prospect of legal process ahead of them, people without access to trial or appeal or the simplest forms of justice. In Guantanamo—a location chosen deliberately in order to put detainees beyond the reach of the law—our administration has created such a place of oblivion and fought all efforts to open it up to legal process. We don't yet know what other secret sites may harbor prisoners in still more unspeakable conditions.
(...)
Camus was himself famously unable to take a clear stance on the French colonial war in Algeria—he was, after all, French and Algerian. The Fall is, among other things, an expression of anguish about the difficulty of making any claim to innocence. The repulsive figure of Clamence wants to implicate the whole of humanity in his own guilt—just as President Bush seems to want to implicate the American people in the decision to torture. Camus offers no clear or satisfying message in response to Clamence's insinuating vileness.
(...)
As for Camus, earlier on, in an essay published in the newspaper Combat in 1946, he summed up the moral ground he was seeking in an arresting phrase: "Ni victimes ni bourreaux." In Dwight MacDonald's translation for the review Politics, Camus' phrase is "neither victims nor executioners." The word bourreau means torturer as well as executioner. "Neither victims nor torturers." From the one—from the legitimate American sense of victimization following 9/11—we have passed to the other. To the complicity with torture proposed by Bush and his rationalizers, there seems to me only one response: an absolute "no."(...)»
(Peter Brooks na Slate; ler na íntegra.)

Hélio Schwartsman: «Tristes trópicos»

«A Bolívia provavelmente está perdida com a eleição de Evo Morales para a Presidência da República, mas o simples fato de um índio, representante dos plantadores de coca e socialista à antiga ter sido escolhido para a primeira magistratura do país andino é um alvissareiro sinal de que a democracia está funcionando, ainda que com muitos problemas, na América Latina. Seria precipitado afirmar que a região já não corre risco de retrocesso institucional, mas é o caso de lembrar que, 10 ou 15 anos atrás, seria impensável até mesmo a hipótese de sagrar-se presidente alguém que encarnasse tão visceralmente os piores temores de Washington e das elites econômicas locais.
Embora me regozije com o que aparenta ser um avanço em termos de consolidação democrática --uma real alternância de poder, daquelas que contrariam interesses profundamente enraizados--, não invejo a situação dos bolivianos. Morales tem uma difícil escolha pela frente. Ou tentará fazer o que prometeu e quase com certeza levará seu país à ruína financeira, ou rapidamente esquecerá seus compromissos de campanha, o que poderá, no pior cenário, custar-lhe o cargo.
Devo agora confessar para o leitor que padeço de simpatias esquerdistas. Gostaria de ver um "governo popular" como promete ser o de Morales dar certo. A chance de que isso ocorra, entretanto, é remotíssima. As idéias econômicas defendidas pelo MAS (Movimento ao Socialismo), o partido de Morales, podem ser traduzidas na bandeira de ordem da nacionalização do setor petrolífero. Não tenho alergia a estatizações. Vários países conseguem explorar muito bem o seu subsolo através de companhias públicas. No caso boliviano, entretanto, será muito difícil, dado que a capacidade de investimento do Estado é mínima. E, se o capital externo já andava temeroso de entrar no conturbado e instável país andino, não será agora com a eleição de um líder que promete nacionalizações que irá fazê-lo.
(...)
O continente tem-se mostrado impiedoso para com os dirigentes que frustram as esperanças dos que o elegeram. Nos últimos anos, pelo menos cinco presidentes eleitos foram depostos em manifestações de rua: Lucio Gutiérrez (2005) e Jamil Mahuad (2000), do Equador, Sánchez de Lozada (2003), da Bolívia, Fernando de la Rúa (2001), da Argentina, e Alberto Fujimori (2000), do Peru. Pode-se acrescentar a essa lista os casos do paraguaio Raul Cubas (1999), que era vice, e do também boliviano Carlos Mesa (2005), que substituiu Sánchez de Lozada e acabou renunciando após uma onda protestos liderada por ninguém menos do que Evo Morales.
Essa forma de deposição popular não deixa de ser um avanço quando se considera que, poucas décadas atrás, não eram as populações mas os tanques dos militares que punham os presidentes para correr. Ainda assim, é preocupante a freqüência com que mandatos legitimamente conquistados deixam de ser concluídos. Parece oportuno assim criar saídas institucionais para abreviar mandatos, caso o eleitorado esteja profundamente descontente com seu governo. O modo mais óbvio de contornar esse tipo de crise é a adoção do parlamentarismo.
(...)»
(Hélio Schwartsman, na Folha de São Paulo de 29/12/2005; ler na íntegra.)

quarta-feira, 4 de Janeiro de 2006

Jerónimo crucifica a Constituição

Parece que afinal a igualdade constitucional é só para os homossexuais. Os que não têm religião, ou os que a têm mas não são católicos, que se crucifiquem.
Caro Jerónimo, não reparaste que quem fez disto uma «guerra» foram clericais como Bagão Félix, César das Neves, Mário Pinto, JC Espada, Ferreira Leite e Bénard da Costa? Nós, os laicistas, temos tido muita serenidade e muita paciência...

terça-feira, 3 de Janeiro de 2006

O BE entre dois mundos

É da candidatura de Francisco Louçã que têm vindo os documentos teóricos mais bem esgalhados desta pré-campanha presidencial. A Agenda para a Igualdade não desmerece dos anteriores em clareza e concisão, e constitui, mais importantemente, um documento relevante para seguir a evolução ideológica do BE.
Todo o texto é atravessado pela tensão entre o princípio de «igualdade» e o valor da «diversidade»; ou seja, (indirectamente) entre a herança iluminista que vem do século 18 e os despojos da esquerda comunitarista pós-1968. (Sendo a novidade, evidentemente, a presença muito assumida da primeira.) É nítido que se tentou alcançar o equilíbrio entre os princípios referidos, o que se escancara em expressões como «garantir a igualdade e acarinhar a diversidade» ou «república defensora da igualdade e promotora da diversidade».
Subindo para a superfície das propostas concretas, a Agenda para a Igualdade fica porém mais próxima dos princípios republicanos do que dos valores comunitaristas: defende-se uma lei de nacionalidade fundada no direito de solo; exige-se o direito de voto baseado na residência (citando mesmo uma divisa da Revolução norte-americana, o que deve fazer corar de raiva os anti-anti-americanos mais primários); proclama-se a igualdade de tratamento das religiões; não se esquece a alteração da lei do aborto; finalmente, só no parágrafo sobre «orientação sexual» se mistura a defesa da igualdade no casamento com um «combate à homofobia» mal explicado, e a «acção positiva» (eufemismo de «discriminação positiva») só aparece no penúltimo parágrafo, com concretizações oscilando entre o inapelável (pessoas com deficiência) e o discutível (as «quotas» para mulheres na actividade políticas estão lá, embora de forma críptica).
Tudo somado, e pese contudo a mania (algo irritante) de navegar entre Sila e Caríbdis («a integração de pessoas oriundas de diferentes partes do mundo (...) não será conseguida optando entre os extremos do assimilacionismo “à francesa” ou do multiculturalismo e comunitarismo “à americana”»), e sendo o passado deste movimento um conjunto de estalinismos(*) com hífens diferenciados que se juntaram fazendo uma secante ao pós-modernismo, o BE (perdão, Francisco Louçã) põe-se como futuro, cada vez mais, ser a ala radical da social-democracia.
(*) Um leitor atento assinalou-me que o PSR e a FER não são «estalinistas», no que tem razão. Fica a correcção.

segunda-feira, 2 de Janeiro de 2006

«Em quem eu voto/Nem às paredes confesso»

Costumo cantar o verso reproduzido no título quando me perguntam onde rabisco o "X". Nesta eleição presidencial revelei o meu sentido de voto antecipadamente, porque Manuel Alegre se candidatara sem o apoio de partido algum, sem jurar amor eterno à União Europeia, e porque o imaginava a respeitar princípios que também valorizo. Hoje, para minha surpresa, leio isto:
O que, para além de ser um desrespeito claro à Constituição da República, é o contrário do que Alegre dissera anteriormente. Se ele mudou em algo de tão fundamental, eu também mudo. A partir de hoje, a minha intenção de voto volta a ser secreta.

Sou soberanista porque prefiro o clássico ao pós-moderno



Gustave Courbet, L´origine du monde, pintura em óleo sobre tela, 1866.
Pode ser apreciado no Musée d´Orsay.








Tanja Ostojic, sem título, poster para exibição em suportes publicitários, 2005.
Não pode ser apreciado nas ruas da Áustria.