quinta-feira, 30 de Junho de 2005

Polly Toynbee: «My right to offend a fool»

«A mandate is a wonderful thing, even if this government's rests on just 22% of the electorate. A bad bill already twice rejected with a big rebellion on Labour benches was tabled again yesterday, regardless of the strength of opposition to it. The incitement to religious hatred bill is back, although it lost the argument resoundingly on every other outing. Forward not back? No, back for the third time.
Why? To appease a Muslim vote that elected George Galloway in Bethnal Green and gave a fright to several other MPs. It is an appeasing gesture strongly lobbied for by the mainstream Muslim Council of Britain. But its unintended consequences will stir up exactly the religious hatred it seeks to assuage.
Last time, this misbegotten bill passed through the Commons after a very rough ride and was stymied in the Lords. The difference now is that the Lords by convention pass any bill "mandated" in a manifesto, even one line on page 111. If the Lords defy the convention, the government will use the Parliament Act to push it through.
But another parliamentary convention might consider this bill a matter of conscience for secularists and not something to be pushed through on a party whip. It would be entirely reasonable for secular Labour MPs to plead conscience on this, just as the religious are excused the whip on matters that trespass on their faith. This touches on freedom of thought and ideas, with far-reaching consequences for the values of the Enlightenment that are under growing threat from a collective softening of the brain on faith and superstitions of all kinds. Contemplating Galloway should stiffen Labour MPs' resistance to a political expediency that seeks support from religious lobbies.
The government claims this bill is designed to stop the BNP using "Muslim" as way of inciting racial hatred by getting round race hate laws. It talks of protecting Muslims from abuse in the street, which sounds reasonable, though the law already protects everyone from abuse and harassment. Labour's own 2001 act already adds "religious aggravation" as a reason for tougher penalties where incitement to violence has an anti-religious motivation.
Fierce opposition is lead by the National Secular Society, whose leading member, Lib Dem MP Evan Harris, proposes a neat solution. His amendment would ban "reference to a religion as a pretext for stirring up racial hatred". Why was that solution rejected by Labour, since it stops the BNP using "Muslim" as a proxy for race, without trespassing on free speech?
The government claims that Muslims of all races need equal protection with Jews and Sikhs, who are already covered by race laws. But if Labour were advocating equality between all religions, they would repeal the blasphemy laws that only cover Christians, remove the bishops from the Lords and abolish religious state schools: 30% of state schools are religious, almost all Christian controlled. These privileges for Christianity cause great resentment among the other faiths: many think this is their blasphemy law.
This bill is not "closing a loophole" as Labour claims, but marches right into dangerous new terrain. Here is an example: it is now illegal to describe an ethnic group as feeble-minded. But under this law I couldn't call Christian believers similarly intellectually challenged without risk of prosecution. This crystallises the difference between racial and religious abuse. Race is something people cannot choose and it defines nothing about them as people. But beliefs are what people choose to identify with: in the rough and tumble of argument to call people stupid for their beliefs is legitimate (if perhaps unwise), but to brand them stupid on account of their race is a mortal insult. The two cannot be blurred into one - which is why the word Islamophobia is a nonsense. And now the Vatican wants the UN to include Christianophobia in its monitoring of discriminations.
Already this proposed law has cast a long shadow. Christians expect it to stop something like Jerry Springer - The Opera ever being screened. Sikhs who drove the play Behzti off the stage expect this law to prevent any future insult to their faith. When a Telegraph writer accused the Prophet of paedophilia for marrying a nine-year-old girl, Iqbal Sacranie of the Muslim Council said this was the kind of insult against their faith that made Muslims want "safeguards against vilification of dearly cherished beliefs".
The government swears they will all be disappointed. No, says Paul Goggins, minister responsible, he'd never do anything to stop Rowan Atkinson making jokes. But if he's right and the law catches just four or five BNP cases a year, then he faces outraged religious extremists furious at betrayal of a blasphemy law they thought they were promised.
But even if he is right and Atkinson is never up before the beak, the religious are already getting their way in more insidious ways. For the chilling effect of this law is here now. There is a new nervousness about criticising, let alone mocking, any religious belief, a jumpiness about challenging Islam or Roman Catholicism. This most secular state in the world, with fewest worshippers at any altars, should be a beacon of secularism in a world beset by religious bloodshed. Instead, our politicians twitch nervously in a lily-livered capitulation to unreason.
Why? Because this clever blending between race and faith has tied all tongues. This law springs from a cult of phoney racial/religious respect that makes it harder than it ever was to dare to criticise, let alone mock. There is a new caution about "causing offence". What kind of offence? Not to people's race but to ideas in their head. If I want to write that I find the hijab a gesture of obeisance to the nasty notion that women are obscene and should be modestly covered up, I may offend a lot of Muslim women. I am not for banning it or tearing it off them, nor am I being racist. But that is becoming an argument that growing numbers of feminist women no longer dare articulate. Unless the Commons comes to its senses, there will be those who regard this view as religious hatred and will expect the law to stop it. (This crime attracts a seven-year sentence.)
Laws change cultural climates: it's what they are for. Religion will become out of bounds in many spheres. Schools, universities, the arts, broadcasting, will feel social pressures that induce self-censorship. A small example: if you wonder why there have been no penetrating exposes of cults like Scientology in recent years, it is because they have sued so often that the media caved in - fear of litigation outweighs the story. That is how the law cast its shadow.
The irony is that those spending most time in the courts will be the religious themselves. A similar law in Australia brought a burst of litigation and demands for arrests from one bunch of fundamentalists against another. Hate-filled evangelicals were creeping into mosques to take notes on imams' hate sermons. So extreme Jews, Muslims, Hindus, papists and Paisleyites will all challenge each other's fiery thought crimes while the Bible and the Qur'an incite enough religious hatred to be banned outright.»
(Polly Toynbee no The Guardian de 10 de Junho.)

quarta-feira, 29 de Junho de 2005

Exibicionismo<=>Devassa

O candidato do PS à Câmara Municipal de Lisboa exibiu a sua vida familiar e privada em público, num vídeo de campanha política. Esta operação deverá, sem dúvida, fazer rejubilar os que subscrevem o chavão sessenta-oitista que proclama que o pessoal é político («the personal is political», no original anglo-saxão), o qual legitima a exibicão da vida privada para fins de promoção política.

Entre os legitimidores desta postura encontra-se Teixeira Lopes, o deputado do BE que durante a última campanha eleitoral afirmou que «há um limiar de hipocrisia muito forte da parte de Paulo Portas, que constrói uma fachada de conservador, de homem de Estado, mas que depois não a leva até às últimas consequências». Tais afirmações, proferidas no dia seguinte ao da célebre frase de Louçã sobre «o sorriso da criança», passaram quase desapercebidas. No entanto, se a frase de Louçã era algo explicável (mas não desculpável) pelo calor de um debate que lhe correra mal, as afirmações de Teixeira Lopes foram muito mais graves, porque ofereceram, a frio, um suporte doutrinário legitimando a devassa da vida privada para fins de ataque político.

Estes dois episódios são duas faces da mesma moeda. Quem devassa legitima o exibicionismo, e quem exibe legitima a devassa. Portanto, Carrilho deverá aceitar que futuramente se instalem máquinas de filmar na sua cozinha e no seu quarto de dormir, que a sua ficha médica seja distribuída aos municípes, ou que as suas infracções ao código da estrada sejam publicitadas. Recíprocamente, Teixeira Lopes deverá aceitar que Carrilho ou um qualquer político conservador exiba a família ou a primeira comunhão dos filhos, a sua prestação no ginásio ou as esmolas que dê, a coberto da noite, aos sem abrigo. Mais ainda, o político Teixeira Lopes deverá aceitar que se averigue se, por detrás da sua «fachada progressista», mete os filhos em escolas privadas, especula na Bolsa, abandona os animais de estimação quando vai de férias ou deixa o cocó do cão no meio da rua no escuro da noite.

E no entanto, nada disto deveria interessar. O debate político deveria centrar-se nos assuntos de interesse público, ignorando deliberadamente a vida privada dos candidatos a cargos públicos. As excepções aceitáveis deveriam limitar-se a comportamentos criminais comprovados ou a abusos de funções públicas. Focar a política na vida privada degrada o debate e acaba por esconder o que verdadeiramente interessa.

Aplicar a lei actual, mas só no privado?

Considero um escândalo que a actual lei sobre as interrupções de gravidez (IG) seja, na prática, desaplicada devido à «objecção de consciência» dos médicos. Existem aliás indícios de que, em mais de duas décadas de vigência de uma lei que permite a interrupção da gravidez em condições legais, não se realizou um único aborto legal nas ilhas atlânticas. Presumivelmente, haverá hospitais inteiros (e, logo, regiões inteiras) em que a dita «objecção de consciência» será decidida pela hierarquia hospitalar.
O Ministro da Saúde, Correia de Campos, decidiu que o Estado pagará as IG em clínicas privadas. Provavelmente, nalgumas dessas clínicas trabalharão médicos que recusam fazer IG em hospitais públicos. A decisão revela menos coragem do que pode parecer à primeira vista. Revela, sobretudo, as dificuldades de afrontar a classe médica...

terça-feira, 28 de Junho de 2005

Os círculos uninominais

O André Amaral d´«O Insurgente» argumenta novamente em defesa de um sistema eleitoral com círculos uninominais. Os seus argumentos são três:
  1. Os círculos uninominais não liquidam os «pequenos partidos» (o que prejudicaria a pluralidade) e cita como exemplo o Reino Unido;
  2. O sistema uninominal limita «a influência e o poder dos pequenos partidos»;
  3. Tal sistema facilita a obtenção de maiorias absolutas.
Como não compreendo a afobação em torno da alteração do nosso sistema eleitoral, passo a discutir os argumentos.
  1. No Reino Unido, os «pequenos partidos» representados no Parlamento são quase todos partidos regionais. Concretamente, são: o SNP (Escócia); o Plaid Cymru (País de Gales); e o DUP, o UUP, o Sinn Fein e o SDLP (Irlanda do Norte). Existem pequenos partidos que obtiveram mais votos do que alguns destes partidos, mas que não conseguiram representação parlamentar. Por isso, é um mau exemplo. O sistema liquida efectivamente os pequenos partidos sem implantação marcadamente regional (desconto o exemplo, episódico, do Respect). Em Portugal, o sistema eleitoral esmagaria facilmente quer o CDS quer o BE, embora preservasse alguma influência ao PCP, mercê de círculos eleitorais alentejanos ou da península de Setúbal.
  2. O nosso sistema eleitoral já dá aos «partidos médios» (os partidos parlamentares excluindo o PS e o PSD) uma representação parlamentar proporcionalmente inferior à sua representatividade eleitoral. Por exemplo, nas últimas legislativas a CDU teve 6.1% dos deputados com 7.6% dos votos, o CDS 5.2% dos deputados com 7.3% dos votos e o BE 3.5% dos deputados com 6.4% dos votos. Evidentemente, haverá quem preferisse que nenhum destes partidos estivessem no Parlamento, algumas vezes condicionando os governos. Mas a substância da política democrática é a negociação.
  3. Existe, no texto do Amaral, um certo desejo de engenharia político-partidária. Mas a verdade é que o «prestígio parlamentar» e a «responsabilização dos governos» não são função única do sistema eleitoral. São factos culturais que não se alteram por decreto.
Conclusão: o sistema uninominal introduziria distorções à representatividade do eleitorado e destruiria o sistema político-partidário tal como o conhecemos. A troco de quê?

segunda-feira, 27 de Junho de 2005

Apoiar a APF

Creio que quem ainda não o fez, ainda vai a tempo de assinar o abaixo-assinado de apoio à Associação para o Planeamento da Família. Convém recordar que esta associação, que há décadas desenvolve um trabalho meritório, foi alvo de uma campanha soez e aleivosa alimentada pela imprensa conservadora e pelas organizações clericais. Eu encontro-me entre aqueles que pensam que se faz menos do que se deveria fazer no domínio da educação sexual.

sexta-feira, 24 de Junho de 2005

A eleição presidencial vista da esquerda

A «esquerda» tem três candidatos ganhadores possíveis para a eleição presidencial de Janeiro de 2006: António Guterres (que parece não querer concorrer), Mário Soares (que já passou dos 80 anos) e Freitas do Amaral que, ironia das ironias, esteve próximo de ser o único presidente de direita eleito durante o actual regime democrático.
Incluo Freitas do Amaral porque se tem deslocado consistentemente para a esquerda. Tem, por exemplo, uma atitude mais aberta do que Guterres na questão do aborto, e militou contra a guerra no Iraque. Se fosse o candidato da esquerda em 2006, seria uma daquelas extravagâncias que daqui por um século pareceria inexplicável aos historiadores que estudassem a sua biografia.
António Guterres seria o candidato natural, mas abandonou o Governo por razões que não quis explicar bem, e que, vistas à distância, parecem relevar de uma falha de ânimo psicológico imperdoável em política.
Tudo somado, o menos mau ainda é Mário Soares.

terça-feira, 21 de Junho de 2005

Hirsi Ali: «O Islão é fascista»

«"Em teoria, nada diferencia um fanático cristão ou judeu de um fanático muçulmano. Na prática, eles se sentem mais à vontade no Islã."
Após descarregar toda a munição da pistola no cineasta Theo van Gogh, o fundamentalista islâmico Mohammed Bouyeri aproximou-se da vítima. Ajoelhado numa rua de Amsterdã, Van Gogh murmurou: "Tem certeza de que não podemos conversar?". O assassino cortou-lhe a jugular com uma facade açougueiro e, com outra, espetou no cadáver uma carta endereçada à holandesa de origem somali Ayaan Hirsi Ali: "A próxima será você". Ayaan é parlamentar em seu país e roteirista de Submissão – Parte I, o curta-metragem de Van Gogh sobre a repressão sofrida pelas mulheres no Islã. Esse é um assunto que ela conhece bem. Aos 5 anos, sofreu excisão do clitóris. Aos 22, fugiu de um casamento arranjado com o primo pelo pai. Refugiada na Holanda, trabalhou como tradutora nos centros sociais para imigrantes e foi brilhante universitária de ciências políticas. Na semana passada, sete meses depois da ameaça de morte, Ayaan, uma negra longilínea de 35 anos, desceu de um carro blindado numa ruela de Paris. Escoltada por seis guarda-costas, falou com exclusividade a VEJA sobre sua renúncia ao islamismo, sobre fundamentalismo e sobre seu encontro com outra célebre vítima da violência religiosa, o escritor britânico Salman Rushdie (tema da reportagem especial desta edição).
Veja – Por que seus inimigos preferem a ameaça de morte ao debate de idéias?
Ayaan – A razão é simples: eles não têm nenhum argumento lógico para opor aos meus. Usam o instrumento dos perdedores, a intimidação. Num debate, eles sabem de antemão que seriam derrotados. O assassinato bárbaro de Theo van Gogh pretendeu mostrar o fim de quem ousa criticar o Islã. Enganaram-se. A dor da perda reforçou minha certeza. Essa gente deve ser confrontada. A tarefa dispensa o medo da controvérsia. O combate contra eles começa com a palavra.
(...)
Veja – Qual a diferença entre os fundamentalistas das diversas religiões?
Ayaan – Em teoria, nada diferencia um fanático cristão ou judeu de um fanático muçulmano. Na prática, eles se sentem mais à vontade no Islã.
Veja – Por quê?
Ayaan – Além de encontrar justificativa religiosa farta, a crítica dos membros de sua própria crença é quase nula. Quando o papa se posiciona contra o uso de contraceptivos, católicos do mundo inteiro contestam sem sofrer represálias. A cantora Madonna desperta antipatia em puritanos com a canção Like a Prayer, mas sua cabeça não está a prêmio. Ninguém degolou os humoristas do Monty Python por ter realizado o filme A Vida de Brian, uma sátira sobre Jesus Cristo exibida no mundo todo. Esse espaço de tolerância não existe no mapa do Islã, mesmo que muito almejado em silêncio. O Islã está como o pai do terrorista Mohamed Atta depois dos atentados de 11 de setembro de 2001. Traumatizado, desamparado, cego. "Meu filho não tem nada a ver com isso. Foi obra da CIA, dos judeus!" O pai não se deu conta da parte maléfica do filho. Recuso que uma religião, outrora pacífica, plena de força e energia, tenha no seu âmago o fanatismo e a violência.
(...)
Veja – O que é a "obsessão do hímen", uma expressão que a senhora utiliza com freqüência?Ayaan – No Islã, moças sem hímen intacto são consideradas "objetos usados". Muitas jovens, ao perder a virgindade, vêm para a Europa submeter-se a cirurgias reparatórias. Na Holanda, até bem pouco tempo atrás, em respeito ao multiculturalismo as imigrantes muçulmanas eram reembolsadas pela seguridade social. Aos 5 anos, fui submetida à clitorectomia, uma prática encorajada pelos clérigos islâmicos. Essa é a maneira extrema de garantir a virgindade antes do casamento. Na falta de uma mulher disponível, a minha excisão foi feita por um homem. Relatórios da ONU revelam que 98% das meninas na Somália são submetidas à excisão do clitóris. Os outros 2% são a margem de erro.
Veja – Pode haver convivência pacifica entre o Islã e o Ocidente?
Ayaan – Espero que sim. No entanto, posso afirmar sem equívoco, o Islã atual é incompatível com o estado de direito das democracias ocidentais. A sobrevivência das democracias ocidentais depende da sua vitalidade em defender os valores liberais. A escolha que o século XXI oferece aos muçulmanos é clara: modernidade ou regime tribal. Eu proponho às comunidades islâmicas fazer uma reflexão crítica da sua doutrina religiosa, a exemplo dos fiéis de todas as grandes religiões. Se dizem que é preciso rezar cinco vezes ao dia, vamos demonstrar, empiricamente, que isso é impraticável no âmbito de uma vida moderna. Eu proponho às comunidades islâmicas reter a espada que corta a cabeça de quem pensa por si mesmo. Onde não se pode criticar, todos os elogios são suspeitos. Caso eu estivesse num país muçulmano, já estaria morta. É do interesse tanto do mundo ocidental quanto do mundo islâmico promover a crítica entre os muçulmanos. Enfrentar o fundamentalismo é um objetivo comum.
Veja – Como foi seu encontro com o escritor britânico Salman Rushdie,que também teve de viver escondido por causa de ameaças religiosas?
Ayaan – Trocamos impressões sobre a vida cativa. Ela coloca em risco pessoas próximas e, devido a isso, inibe até iniciar relacionamentos amorosos. Ele me aconselhou a seguir firme em frente, sem deixar que essa situação me enlouqueça. Ambos sabemos que haverá sempre um fanático em nosso encalço. Eu relatei a ele uma história da minha juventude. Quando o aiatolá Khomeini emitiu um fatwa contra Rushdie, eu era uma estudante devota da Escola Secundária de Meninas Muçulmanasde Nairóbi, no Quênia. Eu e minhas colegas ficamos, imediatamente,solidárias com o líder iraniano que tomava a defesa do sagrado Corão e punia o autor de um romance, suposta blasfêmia contra o profeta Maomé, nosso venerável guia. O fato vinha corroborar nosso aprendizado diário, a indignidade dos kafirs, os infiéis, os não muçulmanos. Aprimeira coisa que veio a minha cabeça foi: "Esse Rushdie deve sermorto".
Veja – O que ele disse?
Ayaan – Rushdie sorriu. Foi gentil ao lembrar que, na época, eu eraapenas uma garota.
Veja – Por que a senhora propõe fechar as escolas muçulmanas na Holanda?
Ayaan – Os professores das escolas muçulmanas holandesas ensinam a ser hostil às leis do país. Dizem aos seus alunos: "Nós vivemos na terra do inimigo, somos subjugados pelas leis dele. A lei suprema é avontade de Alá, revelada pelo arcanjo Gabriel a Maomé, transcrita no Corão". Esses estabelecimentos de ensino público recebem ajuda do governo. Não, não e não! A escola deve ser um lugar neutro, com o objetivo de preparar os alunos para a vida numa sociedade sintonizada com seu tempo, fundada no espírito crítico e no ensino da cidadania. Os holandeses, que vivem em um dos países mais tolerantes da Europa, ficam exasperados de ver, em manifestações de rua, jovens muçulmanos holandeses gritando "Hamas, Hamas! Judeus para a câmara de gás!".
Veja – A Turquia deve ser aceita como integrante da União Européia?
Ayaan – Sim, desde que o governo turco implemente, durante o período de candidatura, as medidas exigidas pela União. Elas beneficiarão os turcos em geral e, em particular, as mulheres muçulmanas, que terão seus direitos mais bem respaldados. Já se percebem alguns passos tímidos nessa direção. A questão geográfica, se a Turquia pertence ou não à Europa, é hipócrita. Por trás dela estão o preconceito da extrema direita nacionalista européia e o medo da competição de mercado que atormenta os partidos da esquerda demagógica. A objeção geográfica nunca foi apresentada quando convidaram a Turquia para ingressar na Otan. Negar a inclusão da Turquia reforçaria a posição dos fundamentalistas muçulmanos turcos. Trava-se atualmente uma batalha de corações e mentes contra o islamismo político. Veja os efeitos catastróficos da tortura a que soldados americanos submeteram os prisioneiros iraquianos da penitenciária de Abu Ghraib. Os fundamentalistas acharam ótimo.
Veja – Líderes das comunidades muçulmanas européias a acusam deprojetar uma experiência de vida traumática sobre um grupo inteiro. Aceita essa crítica?
Ayaan – Isso é uma estratégia conhecida para desviar-se da verdadeira questão: o Islã quer ir para a frente ou para trás?
Veja – A senhora abandonou a sua religião, tornou-se apóstata. Mas, se um dia encontrasse com Deus, o que gostaria de ouvir dele?
Ayaan – Você é verdadeira
(Excertos da entrevista de Hirsi Ali à Veja de 22/6/2005).

segunda-feira, 20 de Junho de 2005

Ser parte da solução

  1. Uma sociedade sem crime é uma utopia. O que não deve impedir que se reprima o crime e se tente preveni-lo, mas impõe que não se perca de vista que a «criminalidade zero» é inatingível.
  2. Os macacos manifestantes de Sábado são parte do problema que é o crime, não são parte da solução. Em primeiro lugar, porque eles próprios são criminosos, ou desejam sê-lo (um dos promotores principais da manifestação é aliás um assassino, condenado como tal pelos tribunais da República). Em segundo lugar, porque as próprias «soluções» que propõem são criminais (deportação de residentes legais, descriminalização da violência policial, despenalização da violência sobre negros e homossexuais). Em terceiro lugar, porque o seu discurso de ódio visa envenenar qualquer debate racional que se queira ter, quer sobre a criminalidade, quer sobre a integração dos imigrantes.
  3. A solução do problema que é a criminalidade passa apenas por aplicar leis que existem e que são iguais para todos. Nada mais.
  4. Sampaio foi parte da solução ao visitar a Cova da Moura no Sábado, e mais ainda ao defender a alteração da lei da nacionalidade. Numa República, a nacionalidade não pode ser um privilégio hereditário. Deve ser um direito daqueles que nascem no território republicano. Difundir o princípio de que a cidadania portuguesa deve ser política e não cultural é também um imperativo.
  5. Evidentemente, já tardam medidas sociais que retirem os imigrantes e os seus descendentes dos guetos urbanos e sociais. Nomeadamente, realojar os residentes de bairros degradados, pôr um fim às turmas escolares em que se agregam apenas os repetentes e os alunos de minorias «étnicas», ou apoiar as actividades desportivas e associativas.
  6. Os cretinos de Sábado escolheram ser parte do problema. A melhor resposta que se lhes pode dar é tornarmo-nos parte da solução.

A maré de lixo na Baixa de Lisboa

Sábado, Lisboa não foi dos lisboetas.
O Governo Civil permitiu que um grupo de 300 indivíduos que vivem da violência e para a violência se manifestassem no centro da capital da República, sequestrando um espaço que é de todos a favor de quem quer destruir as liberdades e a democracia. Os cidadãos que estão habituados a passear pelo centro de Lisboa, e que apreciam o cosmopolitismo da sua cidade, foram obrigados a escolher um local mais seguro onde passar a tarde. O comércio fechou. Os poucos negros que ficaram na Baixa foram insultados. Gritar «25 de Abril sempre!» foi considerado, pelos manifestantes, uma provocação. Em resumo: o Estado democrático permitiu que o centro de Lisboa fosse entregue a assassinos fascistas.
Lamentável.

sexta-feira, 17 de Junho de 2005

Da mistificação à manipulação e à manifestação

A inventona que foi o «arrastão» da praia de Carcavelos parece cada vez mais absurda: no jornal A Capital de hoje, coligem-se testemunhos que indicam que a «enorme confusão e fuga descontrolada» divulgada em algumas imagens se deveu à chegada da polícia (motivada por um assalto a um eslavo), altura essa em que se terá verificado a quase totalidade dos assaltos (traduzidos em uma queixa). Dois dos quatro detidos (que incluem um «branco» e uma brasileira) estavam apenas a tentar abandonar a confusão que se gerara.
Infelizmente, a desmontagem vem demasiadamente tarde. A extrema direita racista conseguiu através da mistificação inconscientemente montada pela comunicação social a manipulação que lhe permitirá, já amanhã, fazer uma manifestação que pretende ser contra a criminalidade, mas que na realidade é contra a presença de imigrantes em Portugal. O objectivo da Frente Nacional («skin heads») e do PNR (o partido que integram e que, aparentemente, já dominam) é a destruição da convivialidade cívica e da paz social republicana.
A escolha do local da manifestação é puramente provocatória. No Martim Moniz, onde a manifestação se iniciará, existe a maior concentração lisboeta de comércio de e para imigrantes, o que constitui uma benesse para aqueles que, não sendo imigrantes nem filhos de imigrantes, apreciam a diversidade gastronómica e cultural. No Rossio, onde terminará a manifestação, alguns guineenses costumam conviver à sombra das arcadas do Teatro D. Maria II. O «nobre» sonho dos macacos tribais que amanhã ali se deslocarão é andar à porrada com todos os que tenham a pele mais escura do que eles, concretizando a «guerra racial» que só existe nas suas cabeçinhas alienadas. Cabe à polícia controlar a situação.
A estória do aparecimento, através de métodos pouco éticos, do PNR, é uma estória nada edificante cujas lições merecem ser meditadas. O grupúsculo fascista português rompeu depois com o salazarismo (demasiadamente «multirracialista») e, ao contrário do que se passa noutros países europeus, está hoje controlado quase exclusivamente por militantes jovens cuja única «escola» foram as claques de futebol e a violência criminal dos bairros suburbanos. As tácticas desta gente são sistematicamente provocatórias, e passam pela criação de «sites» e blogues supostamente feitos por negros racistas, tentando assim realizar o «confronto racial» que almejam. Na manifestação de sexta-feira passada, não hesitaram mesmo em homenagear os assassinos de Alcindo Monteiro, a poucos metros do local do seu assassinato, e possivelmente com a participação, nessa homenagem, de alguns dos assassinos.
Amanhã, talvez não passem de duzentos, mas mesmo assim são perigosos.

O verdadeiro «roubo por arrastão»

José Socrates, Jorge Sampaio e restantes gestores do poder interno roubaram-nos o referendo sobre o Tratado constitucional europeu, conforme eu previra há alguns dias (só me enganei na data: em vez de esperarem pela anestesia da canícula, preferiram esconder-se atrás da «autoridade superior» dos verdadeiros detentores do poder, o Conselho Europeu). Por «arrastão», está também implícito o roubo do referendo noutros Estados da UE, como a Dinamarca, a Irlanda e a Chéquia ou até o Luxemburgo, que deveria fazê-lo já no dia 10 de Julho. As elites partidárias têm muito medinho da cidadania popular.
Infelizmente, discutir a União Europeia continuará tabu em Portugal. E temo que em 2007, quando a discussão voltar à ordem do dia, tudo se resuma a uma aprovação parlamentar veneradora e obrigada, sobre um texto que só sofrerá as alterações necessárias para apaziguar franceses e holandeses...

quinta-feira, 16 de Junho de 2005

Do 50 ao 500

Eu não acredito num grupo de 500 adolescentes coordenados para cometerem crimes. Os gangues de criminosos, quando ultrapassam os dez elementos, já originam rivalidades desagregadoras. Por isso, a estória do «arrastão» de Carcavelos cheirou-me a exagero sensacionalista desde o princípio.
Nos últimos dias, a PSP tem desmontado paulatinamente a imagem inicial dos acontecimentos, como se pode ler hoje no Público. Os factos apurados são muito mais plausíveis do que o tremendo «arrastão» imaginado pelos media: no máximo, 40 pessoas terão cometido «ilícitos». Aliás, os roubos e agressões não terão sido muitos, já que só foi apresentada uma queixa por roubo, para além de outra por agressão a um polícia. Os restantes 460 indivíduos presentes na praia foram considerados «envolvidos» por terem a mesma cor de pele do que os criminosos que resolveram, ao que tudo indica espontaneamente, roubar carteiras e telemóveis.
Comentários:
  1. Os nossos media, que alguns alienados afirmam serem «dominados pela esquerda multiculturalista», escorregam facilmente para o estereótipo da «temível multidão de negros desordeiros»;
  2. O civismo, que inclui o dever de reportar roubos e agressões, não é a norma dominante entre os banhistas de Carcavelos;
  3. As leis aplicam-se a todos, logo quem comete crimes deve ser julgado e condenado;
  4. Os crimes não podem ser desculpados por «causas sociais», mas, no mínimo dos mínimos, há que acabar de uma vez por todas com os bairros de barracas.

quarta-feira, 15 de Junho de 2005

Na morte de Cunhal

Do projecto político que abraçou no final da adolescência, Álvaro Cunhal viu realizada a parte boa (a «revolução democrática e nacional») e terá abdicado de avançar com a parte má (a «revolução socialista») na tarde de 25 de Novembro de 1975. Os juízos de valor são, evidentemente, meus, mas é um facto que se deve a Álvaro Cunhal a estruturação e a liderança efectiva, durante mais de meio século, do maior movimento político de oposição ao fascismo, também responsável por grande parte dos progressos sociais conseguidos após o 25 de Abril. Por isso, merece-me respeito, mas respeito contido quando tenho em conta as motivações teleológicas que realmente o animavam.
A importância histórica de Cunhal mede-se por ter transformado a pequena seita oposicionista que era o PCP em 1930, na maior instituição portuguesa não estatal da segunda metade do século 20 (desconto a ICAR, obviamente). Entre 1940 e 1980, o PCP foi a maior escola política portuguesa e a espinha dorsal de uma «sub-cultura» (sindicatos, jornais, editoras, associações...) que era semi-hegemónica fora das esferas estatal e eclesial. A partir de 1980 (ano em que obteve 20% dos votos), o PCP entrou num declínio lento que se aceleraria a partir de 1990. Resumidamente, influenciou toda a segunda metade do século 20 português.
O balanço da sua vida política confunde-se com o do PCP, mas quem o responsabiliza pelo Gulag exagera. Mesmo restringir o balanço do comunismo ao Gulag (ou sequer ao estalinismo) é um reducionismo extremo. Foi a pressão comunista que permitiu meio século de políticas sociais na Europa e que criou as condições internacionais para a descolonização de grande parte do mundo submetido. Foi por isso que, apesar do totalitarismo inerente ao projecto em si, o comunismo conseguiu a popularidade que teve.
O maniqueísmo impede uns de verem que lhe devemos muito do que a nossa República tem de social, e outros de verem que o seu objectivo final não era uma sociedade plural e aberta. Álvaro Cunhal, tudo o indica, queria a igualdade social mas não a liberdade individual. Houve quem o apoiasse querendo as duas.
A questão que me mói a cabeça é saber se teria sido possível que fosse de outra maneira. Se o movimento laboral poderia ter sido organizado por uma força ideológica mais democrática. A resposta está no que aconteceu aos socialistas, e até aos anarquistas: os primeiros negligenciaram o proletariado, e os segundos, que o eram, foram dizimados antes do final dos anos 30. Lição a reter: só um movimento disciplinado e quase militarizado conseguiu crescer perante um Estado autoritário. E a tragédia foi essa.

Sim ao referendo, não ao Tratado

Na ressaca dos resultados da França e da Holanda, muitos dos que defendiam um referendo em Portugal sobre o «Tratado constitucional europeu» (TCE) borregaram e proclamam agora que não se vota sobre um cadáver. Pessoalmente, continuo convicto de é necessário que haja em Portugal, o mais cedo possível, um referendo sobre matéria europeia.
Em primeiro lugar, porque nunca se discutiu seriamente se estamos na União Europeia apenas para receber subsídios ou para participar de corpo inteiro na definição do rumo europeu. O debate começava agora a fazer-se, pela primeira vez, e essa dinâmica deve ser aproveitada, mesmo sendo o referendo, infelizmente, simultâneo com as eleições autárquicas.
Em segundo lugar, porque a rejeição do TCE pela França, conjugada com o adiamento cínico do Reino Unido, implica que a inevitável renegociação do Tratado será comandada pelos países grandes e ricos da União Europeia. Um referendo, independentemente do seu resultado, só poderá reforçar a posição portuguesa.
Em terceiro lugar, como independente de esquerda que se opõe a um Tratado que considero neoliberal, clerical e um agravamento do «imperialismo» dos maiores Estados da UE, tenho razões para acreditar que o «não» começa a ser uma possibilidade ganhadora. A sondagem da última edição do Expresso, que colocava o «não» nos 49%, e à frente nas regiões tradicionalmente de esquerda, é uma dessas razões.

quarta-feira, 8 de Junho de 2005

Balançando

O Rui Fernandes respondeu à minha réplica à sua resposta ao meu artigo inicial. Neste seu último texto, ficam claros os problemas de base (de informação, de princípios e de prioridades) da sua posição, que infelizmente está muito generalizada.
  1. O uso do véu raramente é uma escolha individual, ao contrário das informações divulgadas em Portugal por uma imprensa intoxicada de preconceitos francofóbicos, antilaicistas e clericalistas. Várias raparigas testemunharam perante a Comissão Stasi que só usavam o véu porque a tal eram forçadas pelas pressões familiares. E mesmo que assim não fosse, a liberdade vem depois da maturidade: só um adulto esclarecido se pode emancipar da tutela familiar ou religiosa e ser efectivamente livre. Se isto é «autoritarismo», então a escolaridade obrigatória será também uma expressão do mesmo «autoritarismo» estatal, que me parece, de longe, preferível ao autoritarismo das tiranias da «sociedade civil», bem expresso na violência (verbal e, muitas vezes, física) sobre as raparigas que rompem com a tradição e se recusam a usar o véu.
  2. Existe uma sondagem em que uma maioria das mulheres de origem muçulmana se declarou favorável (49% contra 43%) a uma lei que proibisse o véu islâmico nas escolas públicas. Serão, com certeza, más muçulmanas aos olhos dos fanáticos, mas elas sabem bem que só o Estado as pode proteger das pressões e violências a que são sujeitas pela sua «comunidade» religiosa de origem.
  3. É um facto que nas escolas onde o véu religioso entrava, o fazia acompanhado das reivindicações políticas da extrema direita islâmica. O Rui Fernandes pode negar isto quantas vezes quiser, mas eu não posso fazer mais do que remetê-lo para a leitura do relatório Stasi e do relatório Debré, que são elucidativos a este respeito.
  4. Identidade cultural é opressão individual. Os célebres seis milhões de «muçulmanos» residentes em França incluem uma maioria que pratica a sua religião com moderação e distanciamento, e uma minoria fanatizada. Permitir que sejam estes últimos a definir o que é a «identidade cultural» muçulmana, com o pretexto de serem os mais «puros» (os mais integristas, na realidade), é entregar a representação «simbólica» dos muçulmanos de França à sua extrema direita (como tu fazes, Rui Fernandes).
  5. Na integração dos imigrantes, discriminação não é facilitar a emancipação individual, é pretender que uma qualquer minoria permaneça fechada na sua «cultura» de origem. Quem prefere separar um grupo ao preservar a sua especificidade «cultural» engana-se nas prioridades.
  6. Cumprimentos.

Continuando o balanço da laicidade em França

O Rui Fernandes do blogue Leileteia comentou criticamente o meu artigo sobre a laicidade em França no seu artigo «O jeito do balanço». Respondo-lhe com todo o gosto e cordialidade, concentrando-me principalmente no que creio serem equívocos da sua parte.
Em primeiro lugar, importa desfazer a ideia (oriunda da propaganda católica mas adoptada por alguma esquerda) de que a laicidade seja anti-religiosa ou uma expressão disfarçada do ateísmo de Estado. Pelo contrário, a laicidade visa justamente criar as condições para que os indivíduos possam decidir ter, ou não ter, a religião que entenderem. Uma dessas condições é justamente a ausência de propaganda religiosa na escola pública, quer através de símbolos permanentes (como os crucifixos nas salas de aula), quer através do ensino da religião. Em Portugal, apenas agora se começa a resolver o primeiro destes problemas, mas a França tem uma tradição já centenária de laicidade escolar.
O véu islâmico, esse «símbolo e arma do integrismo» (na expressão da iraniana Chadortt Djavann) permitia à extrema direita islâmica coagir, na escola que é do Estado, as raparigas que não o usavam a regressarem à sua tradição cultural, e simultaneamente dava-lhe a possibilidade de aí impôr as suas posições políticas, o que se traduzia na recusa da educação sexual e das aulas de ginástica, ou na rejeição do ensino do holocausto e da teoria da evolução (entre outras reivindicações).
O Rui Fernandes acha que sabe que eu penso que a religião é sempre «essencialmente má». Não sabe, mas eu terei o direito de pensá-lo, como os muçulmanos terão o direito de pensar o contrário. O Estado, ao invés, não deve ter qualquer uma destas duas opiniões, e exactamente por isso não defendo que as escolas ensinem o ateísmo, da mesma forma que me oponho a que ensine a religião. A única forma de contratualizarmos um consenso é aceitar que a escola pública estabeleça condições para que cada futuro cidadão (ou cidadã) possa decidir por si próprio em matéria religiosa, após ter frequentado uma escola sexualmente mista, isenta de pressões clericais e em que se ensine a ciência e a razão. O véu dificultava tudo isto ao colocar as alunas muçulmanas sob a tutela opressora da sua «identidade cultural» presumida.
A terminar, faço notar que a extrema direita lepenista se opôs a esta lei, assim como os deputados católicos integristas e os trotsquistas da LCR. É uma conjunção curiosa de forças políticas. Pelo contrário, a maioria dos muçulmanos não apenas aceitaram a lei como a desejaram: eles conhecem bem as posições extremas e as manipulações identitárias dos integristas muçulmanos das pequenas mesquitas de bairro.
Será com certeza cedo para um balanço final desta lei que surgiu para aprofundar a laicidade em França, mas não é verdade que se tenha exponenciado o extremismo islâmico, pelo contrário. E isso deveria fazer reflectir os que tomam os sectores mais conservadores do islão como os verdadeiros representantes de uma população de origem muçulmana que tem o direito de praticar essa religião como entender ou, até, de a abandonar.

terça-feira, 7 de Junho de 2005

Balanço positivo da lei francesa sobre a laicidade

Mais de um ano depois da lei contra os símbolos religiosos «ostensivos» nas escolas públicas francesas, pode concluir-se, em jeito de balanço, que a catástrofe prevista por alguns não se concretizou. Não se verificou nem a exclusão em grande número de alunas muçulmanas, nem a abertura generalizada de escolas privadas islâmicas, nem o agudizar das tensões religiosas. Antes pelo contrário.
Segundo um artigo da Révue républicaine, apenas quarenta e quatro alunas muçulmanas foram excluídas da escola, para além de três alunos sikhs. Algumas dezenas de alunas terão decidido prosseguir os seus estudos no estrangeiro e um número também indeterminado de alunas, na ordem das dezenas, terá sido de-escolarizada. A esmagadora maioria das alunas que usavam o véu há um ano atrás, cerca de oitocentas, frequenta agora, sem véu, as escolas públicas. A lei foi portanto bem aceite por 90% das alunas muçulmanas.
Existe evidentemente quem, na esquerda comunitarista, continue convencido de que não valeu a pena. No entanto, longe de uma escalada islamofóbica, a lei francesa até permite que se faça exame com véu.
O ano passado, a opinião publicada em Portugal, da esquerda multiculturalista à direita católica, era unânime em condenar a lei francesa. E no entanto, aquelas oitocentas raparigas receberam do Estado francês um sinal claro de que a escola pública pode emancipá-las da tutela familiar e da «identidade cultural» tão ferozmente defendida pelos extremistas religiosos.

«Laïcité et égalité, leviers de l´émancipation»

«A propos des lois politiques, le curé Lacordaire a dit l’essentiel : « Entre le fort et le faible, c’est la liberté qui opprime et la loi qui affranchit. » Ainsi, en période de chômage, la loi qui réglemente le licenciement protège les salariés contre le diktat de la force économique. Dans une communauté de droit comme la République, la loi politique, vecteur de l’intérêt général, permet de soustraire les rapports des hommes à l’empire multiforme de la force. La laïcité réalise une telle exigence, et ne favorise ainsi que ce qui est d’intérêt commun. Elle promeut, avec l’autonomie morale et intellectuelle des personnes, la liberté de conscience, ainsi que la pleine égalité de leurs droits, sans discrimination liée au sexe, à l’origine ou à la conviction spirituelle.
La laïcité n’a jamais été l’ennemie des religions, tant que celles-ci s’expriment comme démarches spirituelles et ne revendiquent aucune emprise sur l’espace public. La séparation juridique de la puissance publique d’avec toute Eglise et tout groupe de pression, qu’il soit religieux, idéologique ou commercial, est pour cela essentielle. L’école publique et l’ensemble des services publics doivent être protégés contre toute intrusion de tels groupes de pression.
Il s’agit aujourd’hui de savoir si un espace public vecteur d’émancipation va pouvoir subsister. Qui ne voit que la valorisation excessive des différences, si constamment à la mode, conduit à la guerre ? En période de tensions sociales et internationales, il est grave de laisser croire que ces «différences» doivent pouvoir s’exprimer n’importe où, sans conditions. On expose ainsi les personnes qui entendent rester libres, et refusent tout fanatisme de la différence religieuse ou culturelle, à être couvertes de honte, stigmatisées, voire agressées.
(...)»
(Henri Peña-Ruiz é, actualmente, o filósofo de referência para os laicistas. Este seu artigo apareceu em Fevereiro de 2004 no Le Monde Diplomatique. Vale a pena lê-lo na íntegra pela sua clareza e brilhantismo de exposição.)

segunda-feira, 6 de Junho de 2005

Convém notar

Segundo uma sondagem, os católicos praticantes franceses votaram a 66% pelo Tratado constitucional, enquanto a população em geral votou favoravelmente a 45%. Não espanta, portanto, que a COMECE (o lóbi católico em Bruxelas) insista em prosseguir com a aprovação do Tratado clerical.

sexta-feira, 3 de Junho de 2005

O referendo cada vez mais duvidoso

Supeito de que, neste momento, as elites políticas portuguesas poderão já ter decidido que não haverá referendo em Portugal ao Tratado constitucional. Arrisco ainda que poderemos saber disto em Agosto, lendo o jornal na praia.
Aquando da discussão do Tratado de Amesterdão, o Presidente da República e todos os partidos parlamentares estavam comprometidos com a realização de um referendo. Bastou o veto do Tribunal Constitucional para que o debate ficasse reduzido ao Parlamento, onde a discussão foi tão cautelosa que não mereceu mais do que meia dúzia de linhas nos jornais.
A relação com a «Europa» é, para o regime democrático, um tabu comparável àquele que a guerra colonial constituía para a ditadura. Sente-se que o destino do regime actual está tão ligado à relação com a UE como o destino do regime anterior o estava às guerras nas colónias.
Infelizmente, a União Europeia condiciona a nossa vida colectiva mais do que uma mudança de maioria parlamentar como a última que ocorreu. Seria, portanto, imperioso discutir a nossa participação na UE sem tabus nem medo das conclusões. Duvido que haja coragem para tanto.

quinta-feira, 2 de Junho de 2005

A metafísica do «G» é um buraco

O João Miranda (JM) do Blasfémias escreveu mais um dos seus artigos confusionistas em que faz uma salganhada pós-moderna que mistura a Física, a Economia, a Metafísica, o Newton e o Constâncio. Levanta algumas questões que até serão interessantes, mas, como de costume, baralha tudo na pressa de ser engraçado. Esclarecem-se aqui as imprecisões de Física, esperando que assim se possa limitar a propagação de mitos urbanos e de incompreensões sobre a ciência para a qual JM pretende contribuir.
  1. É falso que, como afirma JM, o expoente «2» (da distância entre dois corpos com massa na lei da gravitação de Newton) não seja falsificável nem tenha sido testado (o estado actual das experiências nesta área pode ser verificado neste artigo).
  2. Para qualquer força que se propague isotropicamente no espaço (como a atracção entre dois corpos com carga eléctrica, expressa na lei de Coulomb), o expoente seria rigorosamente «2» se o nosso universo fosse euclideano, conforme explicado didacticamente nesta página. No entanto, desde que a relatividade generalizada de Einstein foi corroborada experimentalmente que sabemos que o nosso universo não pode ser euclideano. A mesma relatividade generalizada prevê que a lei gravitacional de Newton não será válida para velocidades próximas da da luz ou para campos gravitacionais fortes.
  3. O valor de «G» (a «constante de atracção gravitacional») é dependente do sistema de unidades, e por isso é arbitrário. Eu posso escolher um sistema de unidades com G=1 e fazer contas com ele. Aliás, há quem o faça, por razões práticas.
  4. Já agora (também tenho direito aos meus devaneios...): a lei de Coulomb já foi refutada a distâncias da ordem de 10-16 metros. A essa distância, as correcções radiativas tornam-se demasiadamente importantes para serem ignoradas.

Resumindo: a lei gravitacional de Newton (incluindo o expoente «2» que tanto preocupa o JM) é uma aproximação de primeira ordem à curvatura do espaço; o valor de «G» é uma convenção que resulta do sistema de unidades que se usa. Não há nisto nada de metafísico.

quarta-feira, 1 de Junho de 2005

Criacionismo na imprensa brasileira

A imprensa brasileira conta com alguns jornalistas activos na defesa da ciência, do espírito crítico e mesmo, por vezes, do ateísmo. Gostaria de dizer o mesmo da imprensa portuguesa, mas o dossiê sobre ateísmo da XIS de sábado passado, em que foram entrevistados dois teólogos católicos para falarem sobre um assunto que não sentem, é um bom exemplo do contrário.
Fiquemos, portanto, com alguns bons artigos da outra margem do Atlântico.
  1. Michael Shermer, o presidente da Skeptics Society dos EUA e autor de, entre outros livros, «Porque acreditam as pessoas em coisas estranhas», deu uma entrevista à Folha de São Paulo, reproduzida no Jornal da Ciência, em que aborda a actual ofensiva criacionista nos EUA, os «raptos» por extraterrestres e as «medicinas alternativas».
  2. Richard Dawkins foi entrevistado pela Veja, e o mesmo Jornal da Ciência reproduz essa entrevista, que aborda o debate entre evolucionismo e criacionismo, a sua ideia da religião como um «vírus mental» e as relações entre ciência e religião.
  3. Finalmente, um artigo antigo (2001) de Hélio Schwartsman, na Folha de São Paulo, em que já se discutia o «intelligent design».