domingo, 28 de setembro de 2008

Homofobia

Li esta frase dum membro do P"S" no blogue "Tempos que Correm" sobre a questão do casamento gay: «É uma medida legislativa complexa e entendemos que só se deve legislar na sequência de um amplo debate na sociedade».

Complexa?! Sonegar os direitos humanos mais elementares (como diz Vale de Almeida: "a oficialização voluntária de uma vida em comum") a um grupo de pessoas com base na orientação sexual delas parece-me uma coisa muito simples, própria de pessoas muito, muito simples. Como diria Eça, uma coisa de selvagens "frescos dos matagais da serra".

O P"S" é a Acção Católica com reumático. Uma organização informe, sem alma nem coluna vertebral, uma vergonha nacional que precisa de ser escorraçada dos lugares públicos com tomates podres. Não vejo outra maneira. :o)

Eu esperava ver ao menos a J"S" envergonhada com esta situação abjecta e medieval, em que a ICAR dita a agenda da República.

Mas não. Os bravos jovens "socialistas" vendem tudo por uma carreira miserável no partido e não se importam de ajudar a transformar Portugal num sovaco de ex-fascistas e ex-comunistas (que entregavam os camaradas gay à PIDE, lembram-se?) sem coragem, nem educação, nem abertura de espírito, nem solidariedade, nem empatia para com os cidadãos.

Que escumalha mais triste e mais desgraçada! Nem os membros gay do P"S" vão emitir um piu de protesto?

4 comentários :

JDC disse...

O próprio Álvaro Cunhal dizia que a homossexualidade era um assunto complicado...

João Vasco disse...

Acho esta citação naquele texto que referiste especialmente deliciosa:

«Uma terceira treta difundida contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo é a treta peregrina de que os seus defensores visariam "atacar a família". O alargamento do matrimónio seria apenas um pretexto numa malévola campanha "contra a família". Isto é treta, evidentemente, porque nenhum sentido útil se consegue extrair de tal "tese". Querer alargar o acesso ao casamento não é defender que as pessoas vivam sozinhas sem conhecer pais e filhos. Não é defender que pais, filhos e cônjuges deixem de ter direitos e obrigações uns para com os outros. Não é sequer defender que as famílias mais conservadoras e mais apostadas na sua distinção deixem de ser conservadoras e distintas. O casamento entre espanhóis do mesmo sexo não alterou o casamento dos reis de Espanha. A igualdade no casamento significa apenas que as famílias compostas por um casal homossexual têm de ter o mesmo reconhecimento oficial e a mesma dignidade de cidadania que as restantes. Isto não é atacar "a família", é defender todas as famílias, mesmo aquelas que certa "tradição" sempre perseguiu».»


É engraçado que já tenha dado várias vezes de caras com este ""argumento"" do "ataque à família" e nunca me tinha desatado a rir.

Se calhar é porque tamanha estupidez é mais caso para chorar.

Anónimo disse...

«É engraçado que já tenha dado várias vezes de caras com este ""argumento"" do "ataque à família" e nunca me tinha desatado a rir.»

Então devias ver o Lewis Black naquela sessão de stand up "Red, White and Screwed". Está no Youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=3ANrvQC4wIk

É mesmo de chorar a rir...!

Paulo Corba disse...

Estou totalmente de acordo com este raciocínio. Quem são estes senhores para ditarem o que é uma "familia saudável"?

Se uma família funciona, e todos os membros dela se sentem enriquecidos... não é assunto para mais ninguém meter o nariz! Seja ela constituída por pessoas de sexos diferentes ou não. Aliás, neste seguimento, já não falta muito para que se volte a aceitar o que sempre foi praticado pelo homem nas sociedades originais, e que ainda se consegue encontrar em algumas comunidades, famílias constituídas por mais do que 2 elementos.

Foram esses mesmos senhores da ICAR que vieram acabar com a prática normalizada de várias esposas, que conviviam saudavelmente numa família.

É por isto que apoio este tipo de iniciativas de esquerda, de mente aberta, despreendida de valores arcaicos e naftalinosos.

Viva ao pensamento aberto e sem preconceitos!!