terça-feira, 8 de março de 2016

Do Parlamento à Mesquita

Marcelo Rebelo de Sousa encaixou nas festividades da sua tomada de posse uma ida à mesquita. O acto é apresentado, por um lado, como um «[apelo] à busca de uma solução para o drama dos refugiados do Médio Oriente». Estranho então que não se realize num centro de acolhimento de refugiados. Por outro lado, fala-se também numa «manifestação contra os ataques terroristas que têm surgido na Europa e por todo o mundo». Aí, a escolha é ainda mais estranha: não se entende que faça mais sentido lembrar as vítimas do Bataclan numa mesquita do que numa discoteca, para nada dizer dos redactores do Charlie Hebdo. Entende-se melhor o que quer Marcelo quando se lê que convidou representantes das comunidades religiosas mais antigas (não das mais expressivas, como a IURD ou as testemunhas de Jeová). Trata-se mesmo de uma «celebração inter-religiosa» (sic).

Temos portanto um Presidente que na sua tomada de posse, saído da Assembleia da República onde se sentam os representantes dos cidadãos eleitos democraticamente, com mandatos devidamente limitados e politicamente diversos, se dirige para um templo religioso, onde estarão os representantes das comunidades religiosas, anti-democráticas, lideradas exclusivamente por homens, e unânimes no seu repúdio pelo casamento entre pessoas do mesmo sexo ou pela morte assistida.

O que busca Marcelo numa tal cerimónia? Houve tempo em que a tomada de posse dos reis era seguida de um Te Deum na catedral, a validação clerical da legitimidade do poder político. Esta cerimónia parece-se perigosamente com esses tempos, que se esperavam findos. É de recear que com o presidente Marcelo assistamos a uma sucessão de actos que aproximem a figura do Presidente de um mediador das relações com as igrejas ou, pior, com uma mistura cada vez maior de funções presidenciais e de actos sectário-religiosos.

4 comentários :

  1. Como republicano convicto não partilho da opinião expressada neste post. A saber:

    1) A escolha da Mesquita de Lisboa para apelar à solução da questão dos refugiados do Médio Oriente não é estranha. Até faz bastante sentido uma vez que muitos (se não a maioria) dos refugiados que chegam à Europa são muçulmanos. Os muçulmanos sentem esta tragédia mais do que qualquer outro grupo de pessoas no mundo.

    2) Chamar a esta iniciativa um manifestação contra ataques terroristas é tão válido numa mesquita quanto noutro sítio qualquer. Entende-se a mensagem que se propaga: separar terrorismo da religião, e neste caso em concreto a reivindicação de que o Islão está contra os ataques terroristas.

    3) Comunidades religiosas “mais antigas” Vs “mais representativas”? Eh pá, o Census de 2011 é muito claro quanto a isso! 81% Católicos Vs 2% “Outros Cristãos”. Que raio de insinuação foi essa?

    http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_indicador&contexto=ind&indOcorrCod=0006396&selTab=tab10

    4) Marcelo é o presidente de todos os portugueses. Segundo o Census de 2011 (link em cima), 85% da população declarou-se “religiosa”. Não fica nada mal que Marcelo cumpra a sua palavra e dever de representar de modo fidedigno o povo português e a República. Assim, faz todo o sentido que aceite ir à mesquita, para uma celebração inter-religiosa onde se apela à solução para os refugiados e se condena o terrorismo.

    De resto, a semelhança entre esta iniciativa de Marcelo e as cerimónias de legitimação da coroação dos monarcas por parte e um Te Deum é tão pouca que de perigo nada tem. Estamos numa República secular, não temos nada a temer e antes pelo contrário, se o Presidente da República quer representar o povo Português segundo a Constituição, faz muito bem em avançar-se como “mediador das relações com as igrejas”, que representam 85% da população.

    Colocar-se à margem ou fazer “black out” contra as igrejas é que é um disparate anticlerical perigoso e com o qual os Portugueses não se revêm de todo.

    Haja bom senso e fundamento nas críticas que se fazem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro «Senhor Animalesco»,
      o discurso acabou por concentrar-se na defesa da liberdade religiosa para os religiosos (não tanto para os descrentes), o que esvazia os seus pontos 1) e 2).

      Quanto ao seu ponto 3, não sei se me entendeu: quer as tj´s quer os neopentecostais são bem mais representativos (em número) do que a maioria das comunidades religiosas ali representadas, com duas excepções (a ICAR e a AEP). Curiosamente, parecem não ter sido convidados. A tolerância deve ser só para alguns.

      Ah, e em 2011 os censos encontraram 7% de pessoas sem religião. Parece que não fazem parte do «Portugal ecuménico» de Marcelo.

      Finalmente, se acha que um Presidente deve ser «mediador» junto das comunidades religiosas, e logo desde a tomada de posse, tem um entendimento do cargo bem diferente do meu.

      Eliminar
  2. o discurso acabou por concentrar-se na defesa da liberdade religiosa para os religiosos (não tanto para os descrentes), o que esvazia os seus pontos 1) e 2).--> Sim mas liberdade religiosa deve assumir tambem a separacao dos actos de minorias da religiao em si. Ou seja, seria eu muculmano e penso que a iniciativa do Presidente da Republica me cairia bem. No fundo, como refugiado dum Pais onde o extremismo religioso prolifera e parece ser exportado para outros paises, gostaria de ver um lider dizer "Voces aqui sao livres de professar a vossa religiao apesar do que o ISIS, Bokoaran ou alqaeda fazem"... Este tipo de atitude cai bem em qualquer sector da sociedade. Religioso ou nao!

    Quanto ao ponto 3, penso que o animalesco queria fazer alusao ao impacto que estas religioes tem hoje em dia. Do meu lado assumo que nao estou familiar com a representacao dos Neopentecostais em PT ou ate mesmo os Mormons... Mas de qualquer das formas nao sei qual seria o ponto do Presidente convidar estas seitas se a religiao Crista ja estava a ter representacao no corpo da Igreja Catolica... No fundo, estao ali represntadas as 3 religioes abraamicas... Penso que o significado desta accao e obvia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O facto é que não houve qualquer esforço para representar os não religiosos. Os redactores e cartunistas do Charlie Hebdo, chacinados num atentado horrendo, eram, caso não se recorde, livre pensadores.

      E não, a ICAR não representa os evangélicos. Que lá estavam, mas o meu ponto é que a única comunidade religiosa que teve um problema sério de intolerância em Portugal nos últimos 20 anos (a IURD) não foi convidada.

      Eliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.