terça-feira, 3 de outubro de 2017

Resumo das autárquicas

O poder autárquico reside essencialmente nos 308 presidentes de câmara. Mais portanto do que comparar os votos ganhos e perdidos em absoluto (em que as diferenças face a 2013 são muitíssimo pequenas), vale a pena verificar quem ganhou ou perdeu presidências de câmara.

O PS venceu em 161 câmaras, das quais duas em coligação (Felgueiras com o LIVRE e Funchal com o BE e outros). Relativamente a 2013, é um ganho líquido de onze câmaras (máximo histórico), em que se incluem câmaras suburbanas com o peso de Almada, Barreiro e Matosinhos, e uma capital de distrito (Beja). 

O PSD ficou com 98 câmaras, das quais dezanove em coligação (principalmente com o CDS). Relativamente a 2013, uma perda líquida de oito câmaras e o mínimo histórico. Teve resultados fraquíssimos em Lisboa e no Porto.

A CDU ficou com 24 câmaras, relativamente a 2013 uma perda líquida de dez câmaras (das quais nove perdidas para o PS e uma, Peniche, para independentes). Não conquistou nenhuma e ficou no seu mínimo histórico (em 2001 tivera 28).

As listas de independentes ganharam 17 câmaras, relativamente a 2013 um ganho líquido de quatro câmaras (e um máximo histórico). 


O CDS ficou com seis (mais uma), e o Juntos Pelo Povo e o Nós, Cidadãos! com uma cada.

Aumentou o número de votantes e diminuiu o número de inscritos, portanto a abstenção baixa significativamente.

Sem comentários :

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.