quarta-feira, 29 de setembro de 2010

uma pergunta de mil milhões de euros

Consideremos, por um lado, a seguinte situação indicada [1]:

«[...] [O] mais difícil será mesmo justificar as medidas extras para este ano - cujo teor estava guardado a sete chaves. O montante que poderá estar em falta também não foi adiantado, mas Teixeira dos Santos deixou uma indicação dos motivos da "derrapagem", (chegada do submarino, atraso das portagens nas Scut e quebra nas receitas não fiscais), que levaram o Diário Económico a adiantar a soma de 730 milhões. [...]»

Consideremos, por outro lado, algumas consequências dessa mesma situação [2]:

«[...] José Sócrates fez saber, esta quarta-feira, que o Governo quer subir o IVA [...] O primeiro-ministro anunciou também que pretende reduzir em cinco por cento os salários de toda a função pública [...] O primeiro-ministro anunciou ainda a redução em 20 por cento das despesas com o rendimento social de inserção [...]»

A minha pergunta de mil milhões de euros, mais parafuso de 100 euros no submarino, menos parafuso de 100 euros no submarino, é assim simples: onde exactamente poderia Paulo Portas enfiar colocar o Tridente e o Arpão?

(e estou a dar uma borla ao Passos Coelho na questão das Scuts...)


[1] --- Governo aprova medidas extras e testa OE para 2011, DN Online [Setembro 2010]
[2] --- Governo quer subir IVA para 23% e cortar salários da função pública, TSF Online [Setembro 2010]

6 comentários :

  1. ao que parece só pagam 5% acima dos 1500

    e a pergunta de 12 mil milhões é

    quanto gastam as estruturas onde estão inseridos os 200mil funcionários que mais ganham neste país

    os submarinos os carros os aviões e o exército em geral

    devia ter sido cortado há 36 anos

    como fez a costa rica
    mas nunca tivemos um general desse jaez
    que destruiu o seu posto de trabalho
    tivemos milhares de capitães majores e coroneis e equivalentes
    navais

    que hoje são consultores na reserva e promovem negociatas
    na venda de sucatas
    e na compra de sucatas

    alguns são do CDS (fuz eta dá-me pon te e isto não é um nome é uma sequência de letras)e outros doutros
    apesar dos militares não terem partidos
    têm sobrinhos e primos e amigos com
    empresas

    ResponderEliminar
  2. e já agora os 50 mil computadores comprados entre 2001 e 2007 que foram para a sucata e substituidos por novos

    eram lentos...mas podiam ter sido vendidos por um valor residual

    a maioria estava cheia de virus mas funcionavam

    50mil * 600 euros
    dá só 30 milhões

    são trocos só em manutenção gastaram 150 milhões com eles
    e com as 120 mil impressoras

    que devem ter custado menos

    as 180 mil fotocopiadoras estão em todo o lado
    custaram entre 1200 a 2500 euros

    mais duzentos milhões para queimar papel
    22 milhões de resmas a 3,5euros
    mais 70 milhões em papel/ano

    dá 2,2 resmas por português
    ena tanta resma

    enfim fez bem um
    submarino são 15 anos de resmas do nosso papel
    troquem o submarino por resmas de papel
    180 mil fotocopiadoras para 700mil funcionários
    são 3 funcionários e meio por fotocopiadora
    quantas é que funcionarão
    num sei mas a xerox recebia uns 10milhões em manutenção
    e já deve ser mais hoje

    ResponderEliminar
  3. recorre-se ao velho estigma de que os “malandros” dos funcionários têm benesses que devem ser corrigidas
    pois isso não sei tinha um adjunto de procurador e uma prof como vizinhos mas reformaram-se aos 57 e 59
    anos foram há 17 anos para um condomínio fechado que com a reforma de 47mil dele (bruta) e a dela de
    26000 (primária só 9 escalão 1700 líquidos) e nunca mais os vi
    de vez em quando vejo um BMW a passar mas não sei se é deles se é dos filhos ou netos (tem vidros fumados)

    47000 vezes 17 anos dá quase 800mil euros de reforma ilíquidos claro....e nem sequer é presidente de câmara

    como o Mata Cáceres já morreu ? inda está vivo? nesses casos as reformas são vestigiais

    800 mil em 33 anos como advogado e procurador uns 10 em áfrica mais serviço militar a contar em dobro para a reforma onde é que descontou para os 800mil euros

    são casos extremos é claro
    eu duvido que vá ter reforma

    e já duvido disso desde que comecei a trabalhar

    um dos professores de economia política o outro foi para presidente de câmara em Montemor o Novo...explicou-me esses crus factos demográficos quando eu tinha 19 anos

    espero que esteja morto pois reformou-se aos 58 anos e mais a reforma da firma de onde vinha
    deve estar acima dos 40 mil de reforma bruta por ano

    se for vivo já arrecadou antes de impostos claro 620mil euros

    com 2000 gajos destes mortos aos 58 ou 59 compra-se um submarino
    ou faz-se mais uma scut

    ResponderEliminar
  4. Hmmm, portanto, o Estado deveria deixar de comprar os submarinos para poder manter intactos os salários de todos os funcionários públicos...

    mesmo os daqueles que são desnecessários...

    mesmo os daqueles que auferem salários muito elevados...

    Sim, porque a função do Estado é cobrar impostos à população para poder pagar aos funcionários públicos. Não é para comprar armas nem seja o que fôr que seja necessário - é para pagar os salários.

    Os militares até podiam não ter metralhadoras nem navios nem nada, desde que auferissem os seus salários por inteiro, porque a função do Estado não é manter umas Forças Armadas aptas a defender o país, a função do Estado é pagar os salários de militares.

    ResponderEliminar
  5. Ricardo,
    o mais impressionante nos dados que apresentas é o corte mais pesado nos rendimentos mais baixos (o RSI leva um corte de 20%), enquanto os cortes nos salários da função pública são mais ligeiros, embora (felizmente), progressivos: 10% acima dos 2000 euros, 5% entre os 1500 e os 2000, e 3.5% abaixo dos 1500.

    ResponderEliminar
  6. lavoura, essa análise parece-me um pouco infantil: o corte salarial não vai fazer desaparecer "funcionários desnecessários", muito pelo contrário vai fazer desaparecer os melhores e mais qualificados que encontrarão alternativas mais proveitosas, possivelmente até noutros países; em tempo de paz e crise económica não faz sentido nenhum investir em equipamento de defesa, ainda para mais quando se trata de um negócio ruinoso e desnecessário (porque não patrulhamos o nosso espaço marítimo com robots autónomos? seria um muito melhor uso de apenas uma fracção do valor em causa com investimento directo na C&T nacional); poderá ainda reparar que das muitas medidas anunciadas, apenas destaquei algumas: muitas outras fazem sentido e só nos podemos questionar porque não se encontram em vigor há anos (o que poderia agora evitar medidas mais penalizadoras --- aliás existem ainda outras medidas, como taxação de transferências para off-shores, impostos sobre grandes fortunas, etc, que deveriam sempre ser tomadas antes de, por exemplo, cortar 20% no rsi). mas se gosta mesmo é de ir brincar às guerras, sugiro-lhe um passeio de tridente no tejo, talvez até na companhia do próprio paulo portas...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.