quarta-feira, 28 de setembro de 2011

cálculo e calculismo

O Ricardo já hoje se referiu a Nuno Crato, o ministro que gosta de roubar rebuçados aos mais novos:

«[...] O Governo decidiu suspender a entrega do prémio de 500 euros aos melhores alunos do ensino secundário de vários cursos, avança o “Público”. O cheque deveria ser entregue depois de amanhã, numa cerimónia designada “Dia do Diploma”, e alguns alunos já tinham sido avisados. [...]» [1]

Isto diz muito sobre o nível do ministro (do qual, ao contrário do Ricardo, não tinha qualquer expectativa positiva), mas não diz tudo. Um outro episódio recente ajuda-nos a compreender ainda melhor o que podemos fazer com as expectativas (sorry, Ricardo).

Todos sabemos o ódio que o presente Governo tem ao programa "Novas Oportunidades", seja por não compreender o atraso estrutural que Portugal tem nas qualificações, seja pelo baile que Passos Coelho levou em plena campanha de uma extraordinária aluna do mesmo programa.

Nos tempos do "Plano Inclinado", Crato gostava de lembrar estudos da OCDE para tentar criticar o governo socialista e iniciativas como essa. Quando precisamente a OCDE felicita esta importante medida do anterior governo, bom, para Crato já não são dados de fiar! Os relatórios são sérios ou não são sérios conforme convém. Muito sério...

«[...] O ministro da Educação desvalorizou hoje os resultados de Portugal no relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), no qual surge como o país com maior taxa de obtenção de diplomas do ensino secundário. [...] Para o ministro da Educação, o relatório da OCDE apresentado hoje em Paris "esconde a realidade" do país. [...]» [2]

Mas quem esconde mais? A OCDE ou o ministro? É que, poucos dias depois, sairam os resultados de acesso ao Ensino Superior:

«[...] Dos 46.899 que se apresentaram foram colocados 91%, o que constitui a maior percentagem dos últimos anos [...] Do programa Novas Oportunidades candidataram-se ao ensino superior mais de 700 pessoas depois de terem realizado, como autopropostos, os exames nacionais do secundário [...] Foram colocados 647. [...]» [3]

Assim de repente, 647 em 700 corresponde a uma taxa de sucesso de 92%, acima da taxa de sucesso global. Assumindo que não foram muito mais de 700, seguindo a notícia, o mal-amado "Novas Oportunidades", é, pelo menos, no que diz respeito à capacidade de acesso ao Ensino Superior, tão bom quanto o Ensino Secundário. Nuno Crato, o ministro matemático, sabe muito de cálculo. Contudo, sabe muito mais de calculismo. Next!

Adenda: Claro que uma tragédia nunca vem só. E não bastava o Nuno esquecer a honestidade intelectual, tinha logo que vir o Álvaro lançar mais uns bitaites:

«[...] [O] governo vai “pedir às empresas que contratem trabalhadores que estão há mais de seis meses desempregados, e em que esses trabalhadores que vão para as empresas vão receber formação nas empresas. Em vez de ser o Estado a fazer formação, vão ser os trabalhadores, nas empresas, a trabalhar”, explicou o ministro da Economia, Álvaro [...]» [4]

Ou seja, as "Novas Oportunidades" não servem para nada, o que está a dar é a formação nas empresas?! Álvaro, sinceramente, qualquer dia começa a nevar lá no Canadá e não tens lá ninguém para limpar a driveway... não será melhor voltares à origem? É que eu tenho a certeza absoluta que és muito melhor a limpar a driveway do que a brincar aos políticos...


[1] --- Ministro cancela prémio para melhores alunos do secundário, RTP [Setembro 2011]
[2] --- Nuno Crato: Estudo da OCDE que coloca País no topo "esconde realidade" portuguesa, Jornal de Negócios [Setembro 2011]
[3] --- Pela primeira vez em seis anos, o número de alunos colocados sofreu redução, Público [Setembro 2011]
[4] --- Governo vai pagar formação profissional nas empresas para 35 mil desempregados, Público [Setembro 2011]

3 comentários :

  1. Eu adoro estas medidas de mercearia, para poupar dinheiro. A Margaret Thatcher tirou o leite dos pobres das escolas inglesas e fiocu para a história como a "Thatcher, Thatcher, milk snatcher".

    ResponderEliminar
  2. Ricardo,
    no «Novas Oportunidades» há casos de pessoas que têm equivalência ao 9º ano ou até ao 12º ano por escreverem uma composição e terem trabalhado X anos. Também há casos de frequência séria de ensino formal, mas não te entusiasmes tanto.

    ResponderEliminar
  3. não estou assim tão entusiasmado: sempre achei que deveria haver muito espaço para melhorar as NO. estou até surpreendido com os resultados de sucesso no acesso ao ES. e quando tanto disse no passado que bastava um punhado de casos das NO irem para o ES que o programa já teria valido a pena; então estes resultados superaram as minhas expectativas. mantenho que mesmo assim deve haver muito espaço para melhorar as NO, mas que substitui-las pela "formação álvariana nas empresas" é uma parvoíce.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.