sábado, 7 de maio de 2011

o problema da inimputabilidade

O problema da inimputabilidade é que, chegada a hora, se se descobrir que nada disto é verdade, que comprámos gato por lebre, nem este senhor, nem a instituição que representa, vão sofrer a mais mínima consequência. Ao contrário de todos nós.

«[...] Thomsen afirmou que Portugal deve começar a recuperar nos primeiros seis meses de 2013 se as medidas defendidas pelo Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu [...] forem aplicadas. [...]» [1]


[1] --- FMI: Portugal vai começar a recuperar na primeira metade de 2013, TSF [Maio 2011]

4 comentários :

  1. É mais do que inimputabilidade, é anti-democrático. Mas há alguém que é responsável: os políticos que aceitarem estas medidas e as implementarem. Mas eles vão passar a responsabilidade para o FMI, claro...

    ResponderEliminar
  2. os políticos não são inimputáveis: vão estar sempre sujeitos a eleições futuras.

    ResponderEliminar
  3. Caro Ricardo,
    Fiz link... deste e de outro post.
    Obrigado.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. puta bilidade do que quer que seja excepto por Isaltino Morais e Carlos Cuz parece que não é grande

    há um programa que pretende desfazer as políticas despesistas erradas
    que nos nortearam e norteiam desde há 37 anos

    sem Passos Coelho e Teixeira dos Santos continuariamos em PEC'S vários
    durante anos até ao escudo

    sem este programa a classe média estiolará até ser uma sombra da classe gordinha que é hoje

    e os miseráveis ficarão ao nível dos albaneses ou das franjas de certas sociedades balcânicas

    provavelmente estaremos tramados

    150mil dependentes aqui do conselho
    consomem 250 milhões de fundos públicos (salários excluidos)

    se multiplicarmos isto por 60

    são 15mil milhões de euros até 2012

    e aqui neste concelho ou noutros similares há tantos bens de importação que se poderiam racionalizar

    mão de obra incluída

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.