segunda-feira, 12 de abril de 2010

kick ass time

Em sintonia com o espírito do nosso presente inquérito, chegam notícias interessantes do Reino Unido:

«[...] Richard Dawkins [...] está a planear uma emboscada legal para que o Papa Bento XVI seja detido por “crimes contra a Humanidade” durante a sua visita ao Reino Unido. [...] [O] autor já consultou uma série de advogados de direitos humanos para que seja aberto um processo contra Ratzinger sobre o alegado encobrimento de centenas de crimes sexuais dentro da Igreja Católica. [...]» [1]

Não deveríamos também pensar no mesmo? Não é altura de levar criminosos e seus cúmplices a tribunal para julgamento humanista e secular?


[1] --- Richard Dawkins: "eu vou prender o Papa", iOnLine [Abril de 2010]

9 comentários :

  1. Pois eu acho muito boa a iniciativa, primeiro porque nao dará em nada e depois porque entendo que poe a ridículo os respectivos promotores. Parabéns.

    ResponderEliminar
  2. Se alguém tinha dúvidas de que estes cavaleiros do apocalipse outra coisa não pretendem que incitar o ódio religioso perdeu-as (além de vender uns livros). Agradecemos o esclarecimento.

    ResponderEliminar
  3. Eu acho... :o) que eles tem razao! Hitchens e Dawkins ja contrataram um advogado para tentar indiciar o papa e prende-lo quando ele for a Inglaterra, no Outono. Como Garzon fez com Pinochet.

    Mesmo que esteja inocente - e eu duvido disso - acho que o papa nos deve algumas explicacoes. E acho que a reaccao do Vaticano foi extreamente agressiva, a culpar o mensageiro em vez de pedir desculpa pelas infamias da organizacao.

    ResponderEliminar
  4. Acusar o Papa de crimes contra a humanidade, é não ter noção do que é um crime contra a humanidade e da falta de respeito que isso demonstra para os que de facto foram vítimas de genocídios, perseguições, etc.

    Para que conste a esses "advogados", (que ou são activistas anti-Igreja ou são pagos a peso de ouro, porque ninguém pode afirmar tão abertamente uma barbaridade dessas - a não ser por fanatismo ou por dinheiro), que se saiba o Papa:

    - não cometeu o crime de pedofilia
    - não ordenou o crime de pedofilia

    Concluindo, espero que a Igreja tenha a coragem de expurgar este mal (pedofilia) do seu seio, que puna os padres prevaricadores denunciando-os às autoridades competentes (civis, pois claro) e que tome medidas para que isto não se volte a repetir, mesmo que estas sejam contra tradições eclesiásticas (celibato, por exemplo).

    Aproveito ainda para dizer que sou absolutamente a favor da prisão perpétua para este tipo de crime, sejam os condenados padres, polícias, políticos, etc. É das maiores desgraças do mundo ocidental contemporâneo. E desengane-se quem pensa que isto só acontece na ICAR.

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que em Portugal não vale a pena, as conclusões do processo seriam no reinado de Bento XXXXXX....

    ResponderEliminar
  6. "Não deveríamos também pensar no mesmo? Não é altura de levar criminosos e seus cúmplices a tribunal para julgamento humanista e secular?"

    Pelos vistos a presunção de inocência não se aplica a figuras do clero...

    ResponderEliminar
  7. Mas a presunção de inocência não implica que não se possa acusar alguém.
    Implica que ela não é condenada enquanto o julgamento não terminar.

    ResponderEliminar
  8. Então, primeiro, tem que haver crime comprovado para que alguém possa ser cúmplice dele, correcto?
    Além disso, se não estivessemos a falar do Papa, escreveria "levar criminosos e seus cúmplices"? Para si, já são todos culpados de tudo o que os acusam.

    ResponderEliminar
  9. JDC:

    Se não estou em erro já ocorreram vários pagamentos de indmnizações que assumem padres católicos como culpados. E a política de secretismo pode ser vista como algo que tornou mais fáceis tais ocorrências.

    Agora quanto à queixa em concreto de Dawkins, talvez não tenha pernas para andar e os Tribunais assim o mostrem.

    Mas temos sempre nos lembrar que a presunção de inocência é um conceito jurídico e penal. Não é algo que nos deva inibir de apontar o dedo se acreditamos que existem indícios fortes.

    Neste sentido, falo sobre o Sócrates, o Isaltino, o Berlousconni, o João Jardim ou o Papa com o mesmo critério.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.