quarta-feira, 29 de outubro de 2008

perante tamanha parvoíce, exige-se uma pena exemplar

«[...] A filha do homem mais rico de Portugal é acusada num processo-crime por evasão fiscal, juntamente com a mulher de Pinto da Costa. Paula Amorim vendeu um palacete a Filomena Pinto da Costa mas declarou menos de metade do valor real da venda para poupar em impostos. A filha do empresário defende-se argumentando que se trata de "uma evasão fiscal socialmente aceite" e que "normal era que o preço declarado fosse inferior ao real". [...]

Num dos documentos entregues no tribunal, a defesa alega que "normal era que o preço declarado fosse inferior ao real". E esclarece: "A SISA, além de gozar de uma generalizada rejeição social, (cuja expressão maior se traduzia numa evasão fiscal socialmente aceite), é um acto que percorre transversalmente toda a sociedade".

O dirigente do CDS/PP António Lobo Xavier é o advogado de Paula Amorim neste processo. [...]»


(Esquerda.Net --- 29-Out-2008)

1 comentário :

Pedro Fontela disse...

Se eu matar alguém que seja socialmente rejeitado também posso argumentar isso na minha defesa? Era tempo destas senhoras cumprirem pena por crime económico... mas como isto é terra do faz de conta e dos bons costumes cá esperamos que nos expliquem que no fundo são umas santas e nem multa precisam de pagar.